Assine Já
sexta, 18 de setembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Pantoja

Arraial do Cabo vibra após vitória de Alexandre Pantoja

Lutador terá que vencer, pelo menos, mais duas lutas antes de disputar cinturão no UFC

18 julho 2017 - 11h30Por Gabriel Tinoco I Foto: Divulgação
Arraial do Cabo vibra após vitória de Alexandre Pantoja

Os doze minutos que selaram a vitória de Alexandre Pantoja, no último domingo, mostraram diferentes reações em Arraial do Cabo: tensão, euforia, confiança, nervosismo. O telão instalado pela Prefeitura na Praça do Cova levou amigos e torcedores à Praia dos Anjos e a torcida se espalhou por toda a cidade. O mata leão que aposentou o irlandês Neil Seery reuniu todos esses sentimentos em um só: o orgulho de ter um cabista com o braço erguido no UFC Glasgow (ESC).

– Estou muito feliz – desabafou Pantoja à mãe, num misto de euforia e emoção.

A mãe Ester Pantoja, 54, que assistiu a luta em casa, em meio a fortes orações, lembra de uma premonição sobre a carreira do filho. 

– Lembro de uma coisa. O Alexandre tinha seis meses. Passou um bêbado e falou: “essa criança vai ser um grande desportista”. Deus usou essa pessoa para profetizar o futuro dele. Está aí, está provado – comenta, orgulhosa.

O secretário de Esportes Luciano Gonzaga também estava na torcida e considera o atleta fundamental para o esporte local.

– O Pantoja para a gente já é um guerreiro. Ele representa hoje a Região dos Lagos, o Rio de Janeiro. É o nosso nome do esporte hoje. Ele representa Arraial no mundo. Não tenha dúvidas. Da forma que está aguerrido, vai mais longe – opina.

Quem assistiu e ficou na torcida foi o ex-professor e eterno amigo Helbert Reis, presidente da federação de Muay Thai da Região dos Lagos. De acordo com ele, os números de Pantoja quando menino eram impressionantes.

– Ele veio para cá aos treze anos. Trabalhava no quiosque em frente a minha casa. Certo dia, pediu para dar um treino aqui. Com um ano, foi campeão carioca de muay thai. Fez 34 lutas e venceu todas. No jiu jitsu, fez 28 e venceu 27. Esse é o histórico dele como amador – diz.

O músico João Pires, 26, teve um misto de sensações durante o confronto.

– Assisti pelo celular e, antes da luta começar, o site estava travando Já fiquei nervoso com aquilo. Cada soco que ele dava vibrava e cada soco que ele tomava, xingava – conta o amigo e músico, João Pires, 26.

Na carreira, Pantoja acumula 18 vitórias e duas derrotas. O lutador cabista conseguiu a segunda vitória consecutiva no UFC – em janeiro, ele havia derrotado o norte-americano Eric Shelton (EUA). Alexandre, nas palavras de Dana White, precisa ganhar mais duas em sequência para disputar o cinturão. O atual campeão da categoria é o norte-americano Demetrious Johnson. E a torcida cabista já deu provas de que o acompanhará no restante da caminhada.