Assine Já
terça, 19 de outubro de 2021
Região dos Lagos
20ºmax
17ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
MARCADO NA HISTÓRIA

A alegria de ser rubro-negro

Flamenguistas de Cabo Frio comemoram títulos da Libertadores e do Brasileirão

25 novembro 2019 - 19h52Por Rodrigo Branco
A alegria de ser rubro-negro

O título da Taça Libertadores da América depois de 38 anos e o heptacampeonato brasileiro em apenas um fim de semana fez com que os flamenguistas comemorassem em dobro.

O grande número de torcedores rubro-negros com a camisa do time pelas ruas de Cabo Frio mostravam o orgulho de ostentar o manto vencedor como a segunda pele.

Duro mesmo foi levantar para trabalhar ou estudar depois de tanta festa, certo? Não para a funcionária pública Juçara da Conceição que celebrou com churrasco a conquista das taças até as 22h de domingo.

– Achei que não ia virar, mas botei fé. Valeu a pena – disse a Juçara, vestida com a camisa 9 do herói da decisão, o artilheiro Gabigol.

Um grupo de estudantes improvisava uma roda de altinha em plena Praça Porto Rocha depois de 24 horas de intensa comemoração. Ainda se refazendo da emoção, a jovem já pensa no Mundial de Clubes, no mês que vem.

– Acordei feliz e com a adrenalina em alta. É óbvio que já estamos pensando no Mundial. No jogo contra o River, na hora do gol, eu surtei – disse Caroline Vitória, enquanto se ajeitava para posar para uma foto.

O aposentado José Carlos Medeiros, de 74 anos, reviveu a sensação de felicidade de conquistar a América depois de 38 anos, mas segundo ele, a emoção de 1981, quando Zico, Júnior e o cabofriense Leandro levantaram a taça, foi maior.

– Na outra vez, eu era mais jovem e bebia. Hoje eu não bebo mais – comenta, saudoso, o senhor, que já diz que já esperava pela dupla conquista.

O efeito Libertadores já tem consequência no comércio. Na loja temática do clube no Shopping Park Lagos, a procura por camisas e outros artigos cresceu bastante, assim como o rendimento do time de Arrascaeta, Bruno Henrique e Éverton Ribeiro após a chegada do 'Mister' Jorge Jesus ao clube.

– O céu é o limite. A loja vai vender bastante. O fluxo é muito grande. Os estoques já estão todos esgotados. A procura está grande não só por camisa. É por acessório, boné, relógio, kit churrasco. O pessoal está abraçando a causa e levando literalmente o Flamengo para casa - disse o vendedor Felipe Gilio.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.