Assine Já
sexta, 05 de março de 2021
Região dos Lagos
31ºmax
21ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 27159 Óbitos: 934
Confirmados Óbitos
Araruama 6957 183
Armação dos Búzios 3253 32
Arraial do Cabo 865 38
Cabo Frio 7495 359
Iguaba Grande 2563 58
São Pedro da Aldeia 3575 130
Saquarema 2451 134
Últimas notícias sobre a COVID-19
Livro

Ykenga lança livro “Casa Grande & Sem Sala”, em Cabo Frio

Cartunista faz noite de autógrafos no Teatro Municipal nesta sexta-feira (16)

16 outubro 2015 - 09h53Por Gabriel Tinoco

Ykenga, de certo, é um nome estranho, mas não é um estranho nome para os brasileiros. Na África, significa um fenômeno que deixa animais agitados. No Brasil, é sinô­nimo de um ácido bom humor jor­nalístico. Desse modo, o cartunista e chargista menos conhecido como José Bonifácio de Mattos participa do Festival de Curtas de Cabo Frio, que acontece no Teatro Munici­pal, na noite de hoje, às 20h, com entrada gratuita. Durante o evento, ele autografa seu mais novo livro, “Casa Grande & Sem Sala”, pela editora Nitpress.

Pelo visto, os chargistas são bem unidos. Prova disso é que o prefácio fica na conta do colega de profissão, ­Chico Caruso — de ‘O Globo’. A obra reúne dezenas de cartoons que, com bom humor e a fina ironia pe­culiar de Ykenga, trata de questões sociais envolvendo os negros no Brasil, desde o descobrimento, em 1500, até os dias atuais.

— O sarcasmo dá o tom da críti­ca social presente nos desenhos, em que temas como escravidão, precon­ceito e injustiça são tratados sem ro­deios — diz o autor.

Destinado ao público em geral, o livro desperta também grande inte­resse dos adolescentes. Para Yken­ga, isso se dá tanto pelo impacto das ilustrações como pela empatia com a realidade social desenhada, o que o torna um bom instrumento para­didático na abordagem da temática afro-brasileira pelas escolas.

Ykenga — Pseudônimo adota­do nos primeiros contatos com a avó africana, Ykenga começou sua carreira no falecido semanário ‘O Pasquim’, do qual fizeram parte os maiores nomes da charge brasilei­ra, tais como Ziraldo, Jaguar, Henfil, além de personalidades como Caetano Veloso, Chico Buarque, Ruy Castro, Millôr Fernandes, en­tre outros. Passou ainda por vários jornais, como O Dia, Última Hora e O Fluminense. Atualmente, atua no jornal Extra, além de militar, desde os anos 80, na causa do mo­vimento negro.