Assine Já
segunda, 13 de julho de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 272 7
Arraial do Cabo 16 84 11
Cabo Frio X 1037 64
Iguaba Grande 12 241 20
São Pedro da Aldeia 10 530 19
Saquarema 32 566 33
Últimas notícias sobre a COVID-19
LUTO

Uma das mais antigas quilombolas de Búzios, Dona Uia morre aos 78 anos

Integrantes da comunidade e familiares afirmam que causa foi Covid-19; mas Prefeitura ainda não confirma

10 junho 2020 - 21h16Por Redação

Armação dos Búzios está de luto. Uma das mais antigas quilombolas do bairro da Rasa, Dona Uia morreu nesta quarta-feira (10), aos 78 anos. Nascida Carivaldina Oliveira da Costa, Uia era considerada uma grande liderança da comunidade, marcada pela transmissão oral de ensinamentos da cultura negra local. Em 2015, a Folha entrevistou Dona Uia para uma reportagem especial do Caderno Búzios.

Familiares e integrantes da Comunidade Quilombola da Rasa afirmam que a idosa morreu de Covid-19, mas a Prefeitura de Búzios, que decretou luto de três dias pela morte de Dona Uia, não confirmou o diagnóstico da doença.

Além da idade avançada, Dona Uia sofria de diabetes e hipertensão. Segundo informações do Portal Prensa de Babel, a líder quilombola passou mal e foi inicialmente medicada para a diabetes no posto de saúde que leva o nome da mãe dela, a centenária Dona Eva. Ao voltar para casa, como teve febre e dificuldade respiratória, foi internada já em estado grave no Hospital Municipal Rodolpho Perissé, na madrugada desta quarta-feira. Familiares de Dona Uia, inclusive Dona Eva, foram testados para Covid-19, mas ainda não saíram os resultados.

Na nota em que afirma que Dona Uia morreu em função do novo coronavírus, a Comunidade Quilombola da Rasa destacou a importância dela para o município de Búzios e para toda a região.

“Mulher forte, guerreira, resistente, ela parte deixando-nos muitas lições de amor, amizade, perseverança, ética e humanidade. As pessoas são insubstituíveis em sua existência, e quando são especiais, além da falta que fazem àqueles que as amam, deixam o mundo mais pobre. Sem ela, o mundo perde um pouco do seu brilho, alegria e cor. Nos restará guardar na memória seu sorriso negro e o som de sua marcante risada”, diz trecho da mensagem.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa. Ligue já ou envie mensagem pelo WhatsApp: (22) 99933-2196.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.