Assine Já
sábado, 24 de julho de 2021
Região dos Lagos
24ºmax
13ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 45918 Óbitos: 1853
Confirmados Óbitos
Araruama 11325 353
Armação dos Búzios 5453 57
Arraial do Cabo 1564 87
Cabo Frio 12520 751
Iguaba Grande 4746 114
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4166 218
Últimas notícias sobre a COVID-19
LUTO

Uma das mais antigas quilombolas de Búzios, Dona Uia morre aos 78 anos

Integrantes da comunidade e familiares afirmam que causa foi Covid-19; mas Prefeitura ainda não confirma

10 junho 2020 - 21h16Por Redação

Armação dos Búzios está de luto. Uma das mais antigas quilombolas do bairro da Rasa, Dona Uia morreu nesta quarta-feira (10), aos 78 anos. Nascida Carivaldina Oliveira da Costa, Uia era considerada uma grande liderança da comunidade, marcada pela transmissão oral de ensinamentos da cultura negra local. Em 2015, a Folha entrevistou Dona Uia para uma reportagem especial do Caderno Búzios.

Familiares e integrantes da Comunidade Quilombola da Rasa afirmam que a idosa morreu de Covid-19, mas a Prefeitura de Búzios, que decretou luto de três dias pela morte de Dona Uia, não confirmou o diagnóstico da doença.

Além da idade avançada, Dona Uia sofria de diabetes e hipertensão. Segundo informações do Portal Prensa de Babel, a líder quilombola passou mal e foi inicialmente medicada para a diabetes no posto de saúde que leva o nome da mãe dela, a centenária Dona Eva. Ao voltar para casa, como teve febre e dificuldade respiratória, foi internada já em estado grave no Hospital Municipal Rodolpho Perissé, na madrugada desta quarta-feira. Familiares de Dona Uia, inclusive Dona Eva, foram testados para Covid-19, mas ainda não saíram os resultados.

Na nota em que afirma que Dona Uia morreu em função do novo coronavírus, a Comunidade Quilombola da Rasa destacou a importância dela para o município de Búzios e para toda a região.

“Mulher forte, guerreira, resistente, ela parte deixando-nos muitas lições de amor, amizade, perseverança, ética e humanidade. As pessoas são insubstituíveis em sua existência, e quando são especiais, além da falta que fazem àqueles que as amam, deixam o mundo mais pobre. Sem ela, o mundo perde um pouco do seu brilho, alegria e cor. Nos restará guardar na memória seu sorriso negro e o som de sua marcante risada”, diz trecho da mensagem.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.