Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
19ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7847 Óbitos: 412
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 473 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
samba

Santo Samba, essa sala de recepção em Cabo Frio

Evento celebra três anos com tributos a poetas da Mangueira na tarde deste domingo (11)

11 outubro 2015 - 13h11
Santo Samba, essa sala de recepção em Cabo Frio

Habitada por gente simples, e tão pobre, que só tem um sol que a todos cobre, como podes Mangueira cantar”. Belos versos, Mestre Cartola. A letra de ‘Sala de Recepção’ mostra bem o que é a Estação Primeira. Uma esco­la que atravessa a pirâmide social como um carro alegórico na ave­nida, colorindo de verde e rosa os corações dos ricos e pobres, trico­lores e rubro-negros, religiosos e ateus. Assim também é o Santo Samba, que comemora três anos neste domingo com homenagem a dois gigantes da ‘Mais Queri­da’: Cartola e Nelson Cavaqui­nho. A sala de recepção do Cos­ta Azul estará aberta a partir das 15h. As entradas custam R$ 15.

“Pois então saiba que não de­sejamos mais nada, a noite, a lua prateada, silenciosa, ouve as nossas canções”. Sábio Cartola. Não é preciso realmente desejar muito para apresentar uma roda de samba de primeira. Assim prova a idealizadora do Santo Samba nesses três anos. Luciana organiza o evento no primeiro domingo de cada mês gratuita­mente na Praça São Benedito, na Passagem.

A escolha não poderia ser me­lhor: um ambiente bucólico de um dos bairros mais charmosos de Cabo Frio, que transformou a praça numa capital do sam­ba. Também pudera, após tan­tas edições que se iniciavam na tarde e se estendiam até à noite, com a lua, silenciosa, ouvindo o som das batucadas.

“Tem lá no alto um cruzeiro, onde fazemos nossas orações, e temos o orgulho de ser os pri­meiros campeões”. A benção, Cartola. As preces foram aten­didas. Afinal de contas, sobram motivos para a primeira campeã do Carnaval carioca (1932) se orgulhar. Desde que foi fundada pelos sambistas Cartola, Carlos Cachaça e Zé Espinguela, em 1928, são 17 títulos – atrás ape­nas da Portela, com 23. A escola ainda ostenta uma lista de nomes consagrados na música brasilei­ra com os homenageados do dia e outros como Beth Carvalho, João Nogueira, Nelson Sargento e Chico Buarque. Muitos deles, inclusive, cantados em verso e prosa, em verde e rosa, nas noi­tes do Largo São Benedito.

“Eu digo e afirmo que a felici­dade aqui mora e as outras esco­las até choram, invejando a sua posição”. Ao som de Cartola e Nelson Cavaquinho, é realmen­te difícil ficar triste. No aniver­sário do Santo Samba, o cantor Makley Matos, um capixaba de alma carioca, é o responsável por um repertório de dar inveja. Morador da Lapa, a capital da boemia carioca, carrega uma ba­gagem de contato com grandes nomes da escola como Nelson Sargento e Beth Carvalho. Ele aparece num vídeo da página do evento convidando os cabofrien­ses para o show e batucando um pandeiro, numa pequena prévia.

“Minha Mangueira, essa sala de recepção. Aqui se abraça o inimigo como se fosse irmão”. As portas dessa sala de recepção estiveram abertas para os aman­tes do gênero. Mas nem tudo acabou em samba. A luta da ide­alizadora contra a falta de par­ceria do poder público rendeu o afastamento do evento da praça durante quatro meses. Havia di­ficuldades para arrecadar recur­sos numa festa gratuita. Mas o samba não morreu, tampouco acabou. E pior: abraçou até o inimigo, como se fosse irmão.

– As principais dificuldades são de apoio estrutural. É difícil realizar um evento na rua sem bilheteria. O custo é significa­tivo. É um evento público que a cidade não reconhece. Mas celebrar três anos de um evento que nasceu para ser em um dia é incrível – comemora, apesar dos pesares.