Assine Já
sexta, 18 de setembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 404
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 61
Últimas notícias sobre a COVID-19
Ramona Rox

Ramona Rox: a nossa menina dos olhos

Estourada no estado do Rio, banda cabofriense salta dos covers para trabalho próprio e comemora lançamento

22 maio 2016 - 14h51Por Filipe Rangel
Ramona Rox: a nossa menina dos olhos

Acostumados a servirem como canal entre artistas conhecidos e público, era de se esperar mesmo que os cinco integrantes da Ramona Rox estivessem apreensivos na noite em que, pela primeira vez, não dividiriam os holofotes com mais ninguém. No telão improvisado entre as mesas do bar e sob olhos atentos de mais de cem pessoas, começa uma rápida sucessão de imagens: uma guitarra, o rosto da vocalista Tai, vinho sendo servido em um copo, e a bateria, que marca o ritmo de ‘Não vou te deixar dormir’, primeiro single da banda, lançado no YouTube na última terça-feira, e que já tinha mais de 1.200 acessos até o fim da tarde de ontem.

É mais um passo em uma carreira que, desde 2010, passou pelo início de covers de pop rock, contornou um processo de seleção frustrado para o ‘Superstar’, da Globo, e chegou a uma jornada de composições próprias. “Este é o caminho que vamos seguir agora”, anuncia Carlinhos Lopes enquanto afina a guitarra, minutos antes de a banda inteira subir ao palco.

O set da noite começa com o pop reggae ‘No way no’, da banda Magic!.

– Nosso repertório está menos elétrico. Abraçamos o reggae tem um ano e meio e isso se traduz um pouco nas outras músicas também – reflete Carlinhos.

O reggae, no entanto, é só mais uma peça no emaranhado de estilos que embasam a banda. “Nosso repertório é gigante. Em um show, em média, a gente toca umas cinquenta músicas, creio eu”, faz as contas a vocalista Tai Cernicchiaro. Também aparecem por ali eletro, pop e rock, como ‘Under the bridge’, do Red Hot Chili Peppers, ‘A sky full of stars’, do Coldplay, e ‘Drive’, do Incubus.

A noite segue e, aos poucos, Tai vai se soltando e dominando o palco, mais à vontade em canções como ‘Diamonds’, de Rihanna, e ‘Seven Nation Army’, do White Stripes. A voz aveludada e forte da cantora de 25 anos é o grande patrimônio da Ramona, que tem na cozinha o tecladista Romullo Carvalho, 26; o baixista Adriano Marcell, 25; o baterista Fagner Fernandes, 30; e Carlinhos, de 29. A nova formação se juntou no começo do ano passado – com a entrada de Adriano e “Fafá” –, e parece que tudo são flores...

– Eu sei que é clichê falar isso, mas nós somos irmãos. Somos do tipo “zueiro”, gostamos de brincar um com o outro e falar em “cabistês”: estamos sempre falando “galo”, “calaboca”, “usca”... Com o Fafá foi amor à primeira vista, no segundo show juntos ele já estava me fazendo massagem no pé porque eu estava com câimbra. Com o Adriano também; nós fomos muito sortudos de ter encontrado ele, um excelente baixista e um amor de pessoa. A banda melhorou muito musicalmente com a entrada deles – conta Tai.

A poucos metros do palco, espremido entre o público, alguém pede ‘Like a stone’, do Audioslave. É a senha para a banda pescar do fundo do baú uma das músicas mais antigas do repertório, que parece não ter fim. Nessa, quem assume os vocais é Romullo, enquanto Tai poupa a voz. Os cuidados começaram conforme a banda foi ficando mais e mais profissional, nos últimos anos, ela conta.

– Hoje, eu cuido: tomo chá de gengibre, faço nebulização antes e depois dos shows, aqueço e desaqueço a voz. Já cheguei a perder a voz, mas era por não ter esses cuidados – lembra.

Esse é o único jeito de encarar a rotina de shows. Só em maio, são quatorze, praticamente um a cada dois dias, em várias cidades do estado. Fama maior, só a televisão poderia proporcionar, inicialmente. E a banda bem que tentou, mas acabou ficando de fora do Superstar deste ano.

– Nós fomos elogiados na nossa apresentação, mas há um estudo de mercado que é feito, que acaba enxugando o número de bandas que tenham o mesmo estilo – ponderou Carlinhos.

Tai lamentou a decisão da emissora:

– Acho que a única explicação é se por acaso parecemos um pouco nervosos na apresentação. Não vejo outro motivo. Estávamos esperançosos, mas não deu.

Vida que segue.

Agora, além de confirmar inscrição em outros programas do gênero (X-Factor, da Band, e FestiValda, na web), a banda aposta nas suas músicas autorais. A julgar pela empolgação do público conforme o clipe transcorre, é uma boa saída. O público cantarola o refrão fácil e faz sinais para a então tímida Tai quando ela, estrela do clipe, aparece em cenas mais quentes com seu par amoroso em vídeo.

– Nem todo mundo sabe, mas o moçoilo que está comigo no clipe é meu namorado mesmo (risos). Então, foi muito legal porque nossa intimidade ajudou muito. Eu morri de vergonha e de frio [ela aparece vestindo apenas lingerie], mas acho que o resultado foi muito legal. Não ficou excessivo – diverte-se ela.

Romullo, que dirigiu os companheiros nas quase seis horas de gravação, foi também quem bolou o conceito do clipe – um casal, em cenas quentes, se entrelaçando na cama. Mas, no fim das contas:

– É tudo um sonho. E eu queria passar essa ideia alternando o colorido e o preto e branco na imagem – entrega Romullo.

Quase três minutos depois do início, soa a última nota da música, deixando o silêncio ser preenchido pelos aplausos das centenas de mãos. Era o ‘sim’ do público, que dava sua bênção ao novo caminho que a Ramona decidiu seguir – e que, mais uma vez, se anuncia promissor.

Assista ao clipe:
‘Não vou te deixar dormir’

www.youtube.com/RamonaRoxOficial