Assine Já
segunda, 02 de agosto de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
13ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 46523 Óbitos: 1889
Confirmados Óbitos
Araruama 11454 362
Armação dos Búzios 5517 58
Arraial do Cabo 1588 87
Cabo Frio 12706 765
Iguaba Grande 4804 116
São Pedro da Aldeia 6205 275
Saquarema 4249 226
Últimas notícias sobre a COVID-19
Risadas inesquecíveis

Porchat e Paulo Gustavo no Fesq Cabo Frio 2004: 'Paulo era de longe a pessoa mais engraçada'

Produtor Luca Morais compartilha as memórias da apresentação da dupla no Teatro Municipal

05 maio 2021 - 16h12Por Luca Morais

Paulo Gustavo desceu do carro com um travesseiro na mão e uma bolsa de figurino... Era o ano de 2004, início Fesq Cabo Frio — festival de cenas curtas que tava começando no Teatro Municipal, na beira da praia no interior do Rio. Chegava junto com seu amigo Fábio Porchat , ainda estudantes de teatro, e eu era responsável por receber os grupos para passagem de luz e som. 

"Tao vindo de onde?" perguntei...

"De Nikiti, meu amor", respondeu Paulo, com seus 20 aninhos, fazendo piada sobre a viagem de Niterói, tirando areia do sapato. O ensaio foi rápido. 

"Não usamos nada, só duas cadeiras", disse ele arrumando a cena.

À noite, com o teatro lotado, fez todos darem risada com a esquete "Ovo", escrita pelo jovem Porchat. Uma reflexão bem humorada sobre a palavra "cu". Sim, apesar do nome "Ovo", era uma cena sobre a denominação do orifício anal.  O público gargalhou, mas os jurados detestaram! Num festival cheio de alunos de teatro da CAL, Tablado, UniRio, Martins Pena... jamais iriam dar o prêmio para uma dupla que não tinha nem cenário...

O público se apaixonou por eles. Paulo já era uma explosão de carisma 24 horas, dançando no camarim, acordando o alojamento, fazendo performance na calçada, reclamando do sol, dando cantada nos surfistas... Era de longe a pessoa mais engraçada por perto e sempre! Impossivel não notá-lo.

Na noite da final, eles assistiam da plateia as cenas escolhidas, aguardando ao menos uma indicação pra "melhor ator", que não aconteceu... O público se revoltou! E começou a exigir que eles apresentassem a cena no palco: o que era contra o regulamento, apenas os finalistas podiam reapresentar . A produção negou.
No intervalo, a pedido das pessoas, eles começaram a fazer cena na porta do teatro, na rua mesmo... A plateia ficou vazia!  Todos correram para fora para ver a dupla. Eu, a produção Pablo Alvarez , Yuri Vasconcellos , a equipe , ninguém sabia o que fazer...

Não teve saída. Abrimos as cortinas e pedimos pra eles subirem no palco. O públicou enlouqueceu! Enquanto arrumávamos a cena, todos gritavam em uníssono: 

— "O-vo! O-vo! O-vo"!

Os meninos de Nikiti não ganhavam o júri, mas conquistavam até os colegas concorrentes. O bilheteiro, a moça da cantina, os contrarregras na coxia, todos correram pra ver de novo a cena injustiçada. No fim, a plateia veio abaixo e aplaudiu de pé!

Eu tava na cabine de som, e empolgado, coloquei uma música pra tocar e pisquei as luzes. Paulo começou a dançar e todos subiram no palco para performar com ele.

Foi uma aclamação! Nunca mais houve nada parecido no FESQ... Ele quebrou a regra, desarmando com humor qualquer tentativa de baixo astral.  Foi assim todas as vezes que eu o reencontrei pelos palcos nessa caminhada meteórica que ele construiu... Que apesar do gigantismo, ainda era o mesmo garoto de travesseiro na mão batendo pó do sapato, gargalhando, limpando as areias da vida.  

Que brilhe também em outro plano...

*Luca Morais começou no teatro Tablado, é formado em jornalismo pela UFF e hoje atua como escritor, compositor de trilhas e  produtor cultural. Participou da produção e curadoria  do Fesq desde o seu início em 2003 até os dias atuais. No Fesq deste ano ministrou a oficina "A História do Fesq em Esquetes" sobre  as memórias do festival cabofriense.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.