Assine Já
quinta, 24 de setembro de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7942 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1581 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 231 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 649 36
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
salinas

Paulo Cotias lança livro na próxima quinta-feira (16)

Professor publica 'Salinas', que traz o lado mais obscuro da república

12 fevereiro 2017 - 13h04
Paulo Cotias lança livro na próxima quinta-feira (16)

Paulo Cotias refuta de bate-pronto a ideia assertiva de que “todo político é mau por natureza”.

– Não existe nada mau por natureza. Esse estado de natureza descrito [pelo filósofo] Thomas Hobbes é controverso, mas também não acredito na contrapartida de Rousseau, segundo a qual o homem nasce bom e a sociedade o corrompe. O homem não nasce nem bom, nem mau. O homem nasce – opina o historiador.

Que o diga Antonio Salinas, que nasceu em berço de família abastarda, filho de coronel, e morreu deixando um legado de subdesenvolvimento após décadas de desmandos cometidos durante sua vida pública em Campo Belo. É justamente na esteira das histórias protagonizadas por Salinas – que desnudam a face mais obscura da vida pública – o desenrolar do enredo de ‘Salinas’ (Sophia Editora, R$ 35), livro que Cotias lança na próxima quinta, às 18h30, durante o sarau Flores Literárias, no Charitas, no centro de Cabo Frio.

– O livro é um arquétipo da política brasileira. Mostra como o Salinas foi se estruturando na vida política, como montou seus grupos e relações de poder. A obra condensa em seus personagens e histórias todo um lado oculto que o eleitor não percebe; apenas tem uma intuição. Isso envolve as práticas mais sujas, mais baixas, como assassinatos e perseguições, ao passo em que é construída uma aparência de normalidade, protagonismo e até mesmo de honestidade – explica.

As histórias de Antonio Salinas já são conhecidas daqueles que leram o primeiro romance de Paulo Cotias –‘Boulevard’, lançado no ano passado. Nele, o político narrava suas memórias. Em ‘Salinas’, entretanto, adianta o autor, há o acréscimo de doses generosas de ação. – O livro é cinematográfico – promete.

Tudo começa com um misterioso envelope, que contém todo o testemunho deixado por Antonio Salinas sobre sua vida pública. Sem censura alguma. Essa foi a última manobra ardilosa da raposa política: a notícia da existência de tais documentos fez toda a classe política de Campo Belo logo entrar em pânico generalizado.

– O envelope é a coluna vertebral do livro. É uma armadilha pós-morte do Antonio Salinas. Nele, há pistas que atingem todos os personagens políticos que colaboraram para sua destruição como pessoa pública. É uma vingança – conta o escritor, que brinca a tal ponto com a realidade que também se torna personagem, como professor recém-chegado a Campo Belo.

– Por uma questão de amizade com atendente da cafeteria onde Antonio Salinas morre, recebo esse envelope. Eu e a atendente acabamos em grande risco.

Entretanto, Cotias desconversa com a pergunta que não quer calar: afinal, da onde saiu a inspiração para criar os personagens e as situações vividas por eles?

– Não foi inspirado em nenhuma situação específica, apesar de eu escutar muitas coisas, ouvir e ler história da cidade através de jornais, contos e cafezinhos. Na verdade, é uma situação arquetípica. E, quando se fala de arquétipo, o local, o regional e o universal acabam se identificando. Claro, é muito mais fácil, em cima disso, o leitor reconhecer personagens, condutas, práticas. Mas são fatos que podem acontecer em Cabo Frio, em Arraial ou na Rússia – explica.

Para ele, o importante é que a história transcenda o entretenimento, levando também uma reflexão do leitor sobre os mecanismos do sistema político.

– Espero que o público possa, a partir deste romance, concluir que não podemos nos tornar participantes deste universo de maneira ingênua. Precisamos enxergar o que acontece nos bastidores. E precisamos formar uma nova geração de políticos. É possível ser honesto. É possível ser político e ser remunerado por isso, desde que seja de forma honesta.

E se o político resolver não receber sua remuneração, como fez o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB)? Para Paulo Cotias, essa é outra história. Trata-se, segundo ele, de pirotecnia política.

– Nesse caso, é algo perigoso. Weber fez uma crítica à tendência, no século 19, de acharem que só ricos podem ocupar altos cargos, porque eles não precisam de dinheiro. Sabemos que, no Brasil de hoje, não é bem assim. É difícil encontrar um rico que não tenha recebido uma benesse, uma isenção fiscal, uma ajudinha. Os ricos mandam muito. Elegem quem querem, fazem o que querem. O problema é que as classes populares olham para o rico com o desejo de ser o rico de amanhã.

Se ninguém é mau por natureza, Cotias avalia que a população, grosso modo, aprendeu a fazer o jogo dos maus políticos ao longo do tempo.

– O povo é pragmático. Aprendeu no coronelismo brasileiro a ser pragmático. A utilizar a política para necessidades imediatas: a vaga para o filho trabalhar, vaga na escola, exame, cirurgia... Se existe salvação, não se sabe. Mas enquanto na vida real a situação parece longe de melhorar, a ficção pode andar em caminho oposto: pode haver luz no fim do túnel em Campo Belo. Depende, é claro, da inspiração – e do humor – do autor, que por enquanto só faz mistério.

– Isso vocês vão ter que descobrir no terceiro livro (risos) – finaliza.

SARAU FLORES LITERÁRIAS. Quinta-feira (17), às 18h30, no Charitas. Evento contará com apresentação do maestro Angelo Budega e participação de outros escritores.