Assine Já
segunda, 28 de setembro de 2020
Região dos Lagos
35ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8099 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 487 10
Arraial do Cabo 248 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
banda santa helena

Para ver a Banda passar: Santa Helena faz retreta nesta segunda

Aos 78 anos, Banda é um dos ícones da cultura cabofriense

06 setembro 2015 - 08h15
Para ver a Banda passar: Santa Helena faz retreta nesta segunda

 

FERNANDA CARRIÇO

 

“Pela madrugada,

Ao raiar do dia,

No vigor da “furiosa”

Banda “Arte e Alegria”,

Dando voltas na cidade,

Com seus fogos a espocar,

Corre a moça à janela,

Pra ver a Banda passar”.

 

Os versos do saudoso poeta popular José Casimiro seriam atuais caso não fossem os prédios que hoje dão o ar de modernidade a cidade. Mas há 78 anos, o cenário se repete: moças, rapazes, adultos e crianças param para ver a banda passar – no caso, a Banda Santa Helena que, neste 7 de setembro completa mais um ano de fundação. Fato que se torna ainda mais relevante para a cultura cabofriense por estarmos no ano em que a quarta cidade mais antiga do país comemora os seus 400 – ou seja, traduzindo a história em números, a “Furiosa”, apelido dado a Banda, escreve quase um quarto da história de Cabo Frio.

Desde 7 de setembro de 1937, ano em que o país dava passos largos para a implantação do Estado Novo de Getúlio Vargas e com isso a consolidação da Ditadura Militar,a Banda Santa Helena f az parte da história da nossa gente. Além do cenário político inóspito, o local de criação da banda também não parecia favorável: tudo começou na Barbearia do seu Clodomiro Guimarães de Oliveira, com ele o um grupo de amigos músicos fundando o que se tornaria um dos Patrimônios Imateriais da cidade.

– As bandas musicais ainda existentes da cidade são um fator de resistência cultural de relevância e as mesmas tem sido apoiadas integralmente nessa gestão: a XIII de Novembro recebeu um prêmio de destaque e a laboriosa Banda Musical Santa Helena participa pela segunda vez no programa de editais do Proedi, onde será possível apreciamos seus dobrados sustenidos e bemóis centenários no coreto da praça da Matriz, como as mesmas Liras e Jagunços executavam no início da sua formação – declarou o secretário Municipal de Cutura, José Facury.

E a primeira oportunidade de saborear a arte que vem dos atuais 30 integrantes da Banda Santa Helena, é neste feriado da Independência, segunda, às 10h:30 na Praça Porto Rocha.

– Estamos com um cronograma de apresentações em praças da cidade, a próxima é em Outubro, em São Cristóvão. Mas como houve atraso no repasse do Proedi pode ser que algumas datas pré-definidas sejam alteradas. A pré-produção está em andamento – informou o maestro Jessé Menezes, que ingressou na Banda em 1980 como ritmista e depois passou para o trombone.

E tradição é a essência da Banda. O músico Diego Matos, por exemplo, também é outro exemplo de quem entrou e não mais saiu. Começou aos 13 anos e lá se vão 23 anos de amor à Santa Helena.

– Comecei a fazer aula teórica com mestre Grai José Vieira, um ano depois comecei a aula de trompete. Logo em seguida estava desfilando com a Banda santa Helena pela cidade. Ela representa a arte em minha vida, a educação que esses baluartes me deram – com gratidão, declara Diego.

78 anos de muitas histórias para contar

Uma história marca definitivamente a da Banda Santa Helena. Em uma determinada ocasião, eles foram tocar em uma procissão em Iguaba e aconteceu um trágico acidente – um ônibus que ia pro Rio de Janeiro atropelou os músicos durante a apresentação. Alguns ficaram seriamente feridos e isso acabou fazendo com que a banda suspendesse as atividades por alguns meses. E quando voltaram a tocar, em um 7 de setembro, um diretor sugeriu que fossem tocar no cemitério para agradecer a músicos e diretores que um dia deram a sua contribuição a banda. E assim o fazem até hoje.

Um dos túmulos que os músicos reverenciam é o do saudoso Mureb Pereira Mureb. Dono de uma torrefação de café na Rua Bento José Ribeiro (onde hoje funciona o restaurante Paladar), ele abria o estabelecimento à noite para dar lugar aos ensaios da Banda Santa Helena.

– A Banda não tinha sede ainda e meu pai deixava eles ensaiarem lá Era noite de festa, ficava lotado, todo mundo queria ver. Faziam paneladas de comida, tinha bebida e muita música. Ali comecei que comecei a tocar percussão, que comecei minha história com a música lá pelos meus cinco anos – relembra Zarinho Mureb, que ainda ressalta que o pai fazia aniversário também em 7 de setembro e todo ano às seis horas da manhã, a banda passava na casa da família Mureb, tocava parabéns para o pai dela e iam todos juntos, em festa de harmonia, para a homenagem do cemitério.

Com tanta tradição na cultura da cidade, é claro que o que na faltam são histórias na memória dos cabofrienses. Leila Carriço, neta de um dos ex-presidentes da Banda, o desportista Nenzinho Carriço, lembra que em dia de retreta era dia de aprontar.

– A gente era criança e morava na Major Belegard. Tínhamos um pé de tamarindo no quintal e nos enchíamos da fruta e íamos para a praça ver a banda. A gente ficava na frente do músico da tumba comendo tamarindo. Ele ficava desesperado e chamava meu pai: “Tonga, seu filho da mãe, tira essas crianças daqui porque minha boca enche de água com o tamarindo e não consigo tocar” – relembra, às gargalhadas, a ex-menina travessa.

Repertório da Retreta de 7 de setembro

São musicas nacionais e internacionais interpretadas nos mais variados instrumentos que formam a banda. Destaque para os “pout pourris’ de Vinicius de Morais e Milton Nascimento e para a música de Ary Barroso, Dominguinhos, Roberto Carlos e tantos outros nomes da MPB. Um programa que, além de imperdível, certamente vai te marcar. Afinal, marca registrada dos 78 anos da Banda Santa Helena é pontuar docemente a nossa história – assim como faz com a dos 400 anos de Cabo Frio.