Assine Já
terça, 19 de outubro de 2021
Região dos Lagos
20ºmax
17ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52181 Óbitos: 2123
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6500 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14677 858
Iguaba Grande 5464 140
São Pedro da Aldeia 6968 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
MÚSICA CLÁSSICA EM CASA

Orquestra Sinfônica Brasileira apresenta 1º concerto gravado no palco desde o início da pandemia

Concerto foi gravado em teatro, ainda sem presença de público

26 maio 2021 - 10h00Por Agência Brasil

A Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB) apresenta ao público a partir desta quarta-feira (26), às 20h, seu primeiro concerto no palco da Sala Cecília Meireles, desde o isolamento social imposto pela pandemia de covid-19. A apresentação foi gravada no último dia 20, ainda sem a presença de público, e será exibida nas redes sociais da orquestra.

“A gente está voltando aos palcos, porque a orquestra, desde o início da pandemia, estava produzindo seus conteúdos artísticos 100% remotamente, com os músicos em isolamento social, de suas casas. Mas, agora, com esse primeiro concerto, a gente voltou a reunir os músicos no palco”, disse à Agência Brasil o diretor executivo da Fundação OSB, Gregório Tavares.

Ele contou que o encontro dos artistas, depois de tanto tempo isolados, foi emocionante. “A gente ficou à flor da pele. O primeiro ensaio desse programa foi realmente um fluxo de emoções muito grande, os colegas se encontrando, tendo a oportunidade de fazer música juntos, mesmo que a gente ainda esteja sem a presença do público, porque sabemos que há uma troca muito grande. Mas o fato de os músicos estarem reunidos na sala de ensaio, de a gente poder sentir o palco, poder ouvir o som do outro, essa troca faz muita diferença para os músicos da orquestra”, afirmou Tavares.

Retomada

Como a OSB fará uma retomada gradual nos primeiros programas que serão feitos nos meses de maio e junho deste ano, a opção foi pela formação de câmara reduzida, com a presença de até cinco músicos. Gregório Tavares informou que a partir de junho, a ideia é dar um salto para um número maior de músicos no palco. “Mas, nesses primeiros programas, são quintetos. Cinco músicos reunidos no palco”. Gradativamente, o tamanho da orquestra será ampliado. “Porque a gente sabe que a pandemia ainda está aí, está bastante ativa, e as coisas precisam ser feitas com muito cuidado, para preservar os músicos, a equipe”.

No total, a OSB tem 65 músicos. Até o final do ano, a expectativa é que sejam feitas entre 35 e 40 apresentações. O diretor informou que a previsão inicial, para conseguir receber o público presencialmente, é a partir de agosto ou setembro. Tudo, porém, vai depender de definições das autoridades públicas, lembrou. “Não existe uma certeza, mas existe um planejamento para que, em agosto ou setembro, a gente volte a receber o público, mesmo que reduzido”.

Programa

Nesse primeiro concerto hoje, os músicos apresentarão obras de Luiz Alvarez Pinto e Wolfgang Amadeus Mozart, abrindo a Série Clássica Brasileira. O grupo, formado por Clovis Pereira Filho (violino), Daniel Passuni (violino), Samuel Passos (viola), André Rodrigues (viola) e Emilia Valova (violoncelo) interpreta o Quinteto para Cordas nº4 K.516, que Mozart escreveu em 1787.

Como todos os quintetos de cordas do compositor austríaco, é uma obra escrita para o que é conhecido como "quinteto com viola", uma vez que a instrumentação consiste num quarteto de cordas mais uma viola adicional. Ou seja, dois violinos, duas violas e um violoncelo. Essa é considerada uma das maiores obras de Mozart e, também, uma das mais tristes, pois tem caráter sombrio e melancólico, típico das composições mozarcianas em Sol Menor, informou a Fundação OSB.

Em seguida, será apresentada a obra Te Deum Laudamus (6 Peças Barrocas), do compositor brasileiro do século 18, o pernambucano Luiz Alvarez Pinto. Ela será interpretada pelo quinteto formado por Clovis Pereira Filho (violino), Daniel Passuni (violino), Samuel Passos (viola), Emilia Valova (violoncelo) e Rodrigo Fávaro (contrabaixo). A primeira execução moderna dessa obra ocorreu em 1968, no IV Festival de Música de Curitiba, sob a direção do Pe. Jaime Diniz.

OSB

A Orquestra Sinfônica Brasileira foi fundada em 1940 e é considerada um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. Em seus 80 anos de trajetória ininterrupta, a OSB realizou mais de 5 mil concertos. Foi a primeira orquestra a realizar turnês pelo Brasil e o exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia. Em abril de 2021, a orquestra foi registrada como patrimônio cultural imaterial da cidade do Rio de Janeiro. 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.