Assine Já
segunda, 16 de dezembro de 2019
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Apartamento
AP REC BANNER
cine bardot

O charmoso Cine Bardot ganha mais um atrativo: Mostra de Cinema Nacional

Filmes brasileiros abrilhantam ainda mais o cinema 'cult'

18 julho 2014 - 21h59Por Sérgio Meirelles
O charmoso Cine Bardot ganha mais um atrativo: Mostra de Cinema Nacional

Passear à noite por Búzios neste fim de semana tornou-se ainda mais prazeroso. Isso porque dois eventos estão movimentando o charmoso balneário: a 1ª Mostra de Cinema Nacional, no Gran Cine Bardot, e o 13º Festival Gastronômico, espalhado por vários pontos da cidade. Além dessas atrações, pode-se caminhar pelas estreitas e bucólicas ruas do Centro, que possui um comércio variado. Então, não há desculpa para não sair de casa.

Para aproveitar tudo que Búzios está oferecendo nestes dias a dica é descansar bem durante o dia para aproveitar a noite ao máximo. Para quem curte um bom filme, a 1ª Mostra de Cinema Nacional é imperdível. A programação começou ontem e vai até o domingo que vem (27). Em exibição sempre duas películas atua-líssimas. As sessões são sempre às 19h e 21h. E o preço do ingresso é para lá de atrativo: R$ 22,00 (inteira) e R$ 11 (meia).

O filme que abriu a mostra, anteontem, foi ‘Dominguinhos’. Mas quem perdeu a estreia, não fique triste. O filme que retrata a vida do sanfoneiro será reapre-sentado amanhã, às 21h. E quem gosta de uma história polêmica e cheia de emoção não pode perder, hoje às 19h, ‘Praia do Futuro’, de Karim Aïnouz. No elenco nada mais nada menos que Wagner Moura, no seu primeiro papel gay. A segunda sessão desta noite, às 21h, também promete mexer com os expectadores. O ‘SOS Mulheres ao Mar’, de Cris D’Amato, volta ao telão. A película conta a trajetória de uma escritora (Giovanna Antonelli) que não passa por um bom momento.

O cinéfilo que não assistiu ‘Hoje Eu Quero Voltar Sozinho’, de Daniel Ribeiro, vencedor do Festival de Berlim (Alemanha) 2014, tem a chance de vê-lo amanhã, às 19h. O longa fala sobre o início da relação amorosa entre um adolescente cego (Guilherme Lobo) e um amigo (Fábio Audi) recém-chegado à cidade.

Estilo retrô e homenagens a Brigitte decoram cinema ‘cult’

Tudo isso acontece num lugar para lá de especial. O Gran Cine Bardot conserva um estilo retrô e ‘cult’. No hall que antecede a sala de projeção, mesinhas de madeira bem cuidada sugerem ao espectador um bate-papo regado a café antes do filme. Em uma delas, inclusive, é possível encontrar uma descontraída estátua de Woody Allen, sentado e de bem com a vida à frente de uma máquina de escrever. A representação do diretor, claro, é chamariz para fotos curiosas.

Nas paredes, quadros e pôsteres de clássicos do cinema se juntam à imagens da musa inspiradora, Brigitte Bardot. O chão quadriculado em branco e preto e um singelo barzinho tornam o ambiente ainda mais aconchegante.

O Cine Bardot fica na Travessa dos Pescadores, 88, próximo à Praça Santos Dumont, que também é uma boa opção para encontros e um bate-papo descon-traído. Quem chega pela primeira vez ao cine de Búzios não faz ideia de que ali funciona o único cinema não comercial da Região dos Lagos. De propriedade de um argentino radicado há 32 anos na cidade, a sala foi construída há 20 anos e segue o padrão imobiliário das construções vizinhas.

Em homenagem à atriz francesa Brigitte Bardot, que apresentou Búzios ao mundo, a sala de projeções é toda decorada com fotos da diva. Apenas três funcionários fazem funcionar regularmente o cinema de quinta a domingo. Todos eles são polivalentes. Fora os dias de exibição no telão, eles trabalham em outro negócio do argentino Mário Paz. É o caso de Jandir dos Reis Alves, de 51 anos. Há mais de 20 anos assessorando o argentino, nos dias de sessão, Jandir  transforma-se em porteiro do cinema.

– Antes de trabalhar aqui, só havia ido ao cinema uma única vez em minha vida, aos 10 anos de idade. Adoro esse contato com o público – contou.

Daiana Sodré, 32, é ao mesmo tempo bilheteira e programadora do cine. Ela também trabalha há bastante tempo com o argentino e se diz uma apaixonada por cinema.

–  O Festival de Cinema que acontece aqui todos os anos marcou a minha vida. Não existe coisa melhor na cidade – festejou. 

Francinaldo Batista, 31, (ele prefere que o chamem de Naldinho) conseguiu se juntar ao pequeno grupo graças à ajuda do amigo Jandir. Naldinho ia ao Cine Bardot, mas não entrava porque não queria gastar o pouco dinheiro que tinha no bolso. Piedoso, Jandir o deixava entrar sem pagar ingresso. Moral da história: hoje Naldinho é o único projecionista do Cine Bardot.

– Cinema sempre foi a minha praia. Gosto muito do que faço – alegrou-se.

 Os frequentadores do Cine Bardot, na sua maioria, são pessoas da terceira idade. Isso talvez seja explicado pela escolha dos filmes que são exibidos na sala. Os mais jovens quase sempre preferem filmes comerciais. Mas o público do Bardot é assíduo e não perde uma sessão.

– Sempre que podemos, viemos ao cinema. Hoje, queremos aproveitar essa mostra, que me parece sensacional – diz a socióloga Vera Navarro, 60, acompanhada do marido, o antropólogo João Pacheco, de 66.

A aposentada Otávia Botelho, 68, se derreteu em elogios à sala Bardot:

– Moro em Búzios há 12 anos. O cinema é muito charmoso e a programação é muito boa. Ainda podemos desfrutar do bistrô que fica ao lado  – disse Otávia.

Luíza Freitas, 69, tem a mesma opinião. Ela é frequentadora assídua e amiga do staff.

–  Vivo aqui. Sempre assisto a bons filmes. O cinema não fica devendo nada às salas da Zona Sul do Rio – elogiou.

Veja a galeria de fotos do cinema: