Assine Já
domingo, 11 de abril de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
19ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 32434 Óbitos: 1183
Confirmados Óbitos
Araruama 8059 252
Armação dos Búzios 4018 49
Arraial do Cabo 1143 56
Cabo Frio 8778 419
Iguaba Grande 3162 76
São Pedro da Aldeia 4462 178
Saquarema 2812 153
Últimas notícias sobre a COVID-19
orquestra

Naquela mesa, com Jessé Menezes e outros amigos

Orquestra está afinada para fazer bonito no Boteco & Chorinho

25 janeiro 2016 - 08h43Por Fernanda Carriço

O cenário não poderia ser mais propício: uma mesa de bar. À meia luz, em uma tarde chuvosa e poética, sentados à mesa o maestro Jessé Menezes, o primo e também maestro, Ângelo Budega e um dos muitos herdeiros da cultura musical da cidade, o também músico, Diego Mattos. Além do barulho da chuva, sons começam a sair do trombone, trompete e cavaquinho. A amizade que os une é cercada de histórias para contar e relembrar e, principalmente, para cantar. O encontro no Ênio’s Drinks, um pequeno templo da boemia, é para acertar detalhes do show da Orquestra Jessé Menezes, que se apresenta na próxima edição do Boteco e Chorinho, festa que a Folha dos Lagos realiza na próxima quarta-feira, 27, a partir das 21h, no Tamoyo Esporte Clube.

Na verdade, o encontro dos músicos é apenas mais um motivo para fazer um som, já que a afinidade entre eles é antiga e encontra raízes desde a Banda Santa Helena (todos participaram de alguma maneira) e na saudosa Orquestra Tropical, que nos anos 80 tocava nos grandes eventos da cidade.

– A Orquestra era formada por músicos do Santa Helena. Tocamos em toda a Região dos Lagos, em clubes de Arraial, Rio das Ostras, Macaé, em formaturas e aniversários. Fazemos trablhos em várias formações musicais, quarteto, quinteto... – explica Jessé Menezes.

Além do trio acima citado, nesta terceira edição do Boteco e Chorinho, a Orquestra vai contar com músicos como Edson Rangel, sax tenor, Rodrigo Revelles, sax alto e flauta, Walber na bateria, Alvinho no violão e Vanize Gomes na voz. No repertório clássicos do chorinho, MPB, sambas, Fox, anos 60, 70, 80 e por aí vai. Serão mais de duas horas de muita música de qualidade.

– A Orquestra toca tudo, jogamos em todas as posições do campo musical e como está perto do carnaval também entraremos nesse clima – antecipa Jessé.

Afinidade histórica

Filhos de músicos, Jessé e Budega são, além de parceiros musicais, primos. O primeiro começou a tocar profissionalmente aos 14 anos e o segundo aos 18. Diego Mattos, também precoce, aos 14. Desde então, fizeram diversos trabalhos juntos e continuam fazendo. Tanta afinidade resulta em muita harmonia na hora de tocar.

–A gente se entende no olhar – define Budega.

–Olho para o Diego e sei o que ele vai fazer. Budega me olha e sabe o que vou fazer... – entrega Jessé.

– Existe admiração e amizade e isso se traduz na cumplicidade na hora em que estamos tocando – declara Diego.

E tanta parceria é passada de pai para filho. Neste encontro, Sofia e Yuri, filhos de Diego e Jessé, respectivamente, mostram que a afinidade é herança que farão questão de manter. Cada um com um cavaquinho, posam para fotos e se interessam pelas músicas que serão tocadas.

–É a futura geração do Parókia – conclui Jessé.

Por que Parókia? Bom, a Banda Santa Helena mais uma vez presenteou a sociedade com um dos seus magníficos braços culturais. A Banda do Parókia é formada por músicos da Santa Helena, e a Orquestra Jessé Menezes, também.