Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Militar

Jannini, colunista da Folha, lança segundo livro nesta sexta-feira (14)

Livro ‘Grito de Liberdade’, conta história sobre o regime militar

14 agosto 2015 - 09h36

GABRIEL TINOCO

 

Sentada. Amarrada numa ca­deira revestida por zinco e co­nectada a fios de alta tensão. Quando ligado o aparelho elé­trico, choques eram distribuídos pelo corpo inteiro. Parece um cenário de filme de terror, mas era a rotina de uma presa polí­tica nos tempos da ditadura – e de muitas outras, diga-se de pas­sagem. Essa é mais uma das ce­nas aterrorizantes do livro ‘Grito de Liberdade’, publicado pela jovem escritora Jannini Rosa. A cabo-friense narra numa mis­tura entre fantasia e realidade uma triste história de amor nos dolorosos Anos de Chumbo. O lançamento da obra, dividida em dois volumes, será comemorado hoje, no Charitas, às 18h.

Grito de Liberdade estará nas vitrines das livrarias Cultura e Travessa e disponível em www.editoramultifoco.com.br. Cada livro custa R$ 40 e o segundo volume sairá daqui a seis meses. O lançamento contará com apre­sentação musical dos violinistas Tainá Sousa e Luan Monteiro.

A jovem escritora decidiu contextualizar o período históri­co no primeiro volume do livro, com a intenção de situar melhor os leitores. Jannini narra minu­ciosamente a trajetória dos mili­tares antes do golpe numa espé­cie de linha do tempo.

– Eu foco numa linha do tem­po da história do Brasil, na for­mação do caráter anticomunista dos militares. Resgato todas as raízes familiares da personagem Lêda. Já no segundo volume, re­trato mais a adolescência dela, o movimento estudantil, a época de efervescência política. Nessa época ela ainda não era ativa nos órgãos clandestinos, mas passou a ser logo após a morte do com­panheiro dela, que fazia parte da guerrilha – conta.

Grito de Liberdade é uma obra baseada em fatos reais. Ao saber que Jannini estava publicando o segundo livro (com apenas 18 anos), uma mulher que preferiu não revelar o nome sugeriu que a escritora passasse a vida dela para as páginas. A ‘Lêda da vida real’, no entanto, não conseguia relatar direito fatos tão marcan­tes como torturas e desapareci­mentos de amigos.

– Ela não conseguia contar a história direito. Imagine só: tor­turadores a obrigavam a manter relações sexuais diariamente em troca da própria vida. E isso não aconteceu só com ela. Atu­almente, ela possui três tumores no cérebro em decorrência de espancamentos dessa época.

A jovem Leda reforçou o ide­al quando um homem com quem mantinha um intenso relaciona­mento foi assassinado pelos mi­litares.

– Ela chamava o amor de companheiro. Amava muito ele, mas o ideal era a coisa mais im­portante da vida dele. Após a sua morte, ela promete lutar por ele.

Jannini classifica a leitu­ra como um grande “agente de mudança”. A escritora também retrata o feminismo, causa tam­bém abordada em ‘Faces de Ma­lala’, primeira obra dela.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta sexta (14)