Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Léo Barreto

Guitarrista Léo Barreto comemora volta ao blues

Músico retorna ao gênero de origem com a música nova e acompanhado de banda 

05 junho 2016 - 13h35Por Gabriel Tinoco
Guitarrista Léo Barreto comemora volta ao blues

Quando Léo Barreto desembarcou na Região dos Lagos, em 1992, percebeu que o timbre da guitarra deveria ser outro. Iniciado por showman Celso Blues Boy no gênero que viria a marcar sua carreira, Léo foi obrigado a mudar o som porque “a região não gostava tanto do blues na época”, como ele mesmo viria a constatar. Mas o guitarrista está de volta ao ritmo negro norte-americano. E promete voltar com tudo.

Léo Barreto remonta a banda do início da carreira, a ‘Eternamente Blues’, com dois integrantes originais. Com um ar de nostalgia e com a alma que só é peculiar ao blues, a apresentação acontece na Casa Vinil Cultural, em Belo Horizonte (MG), onde a banda engatinhava no começo dos anos 1980.
E a primeira faixa do novo álbum do guitarrista saiu quentinha do forno e deverá ser tocada no show da banda. A volta para o blues não poderia ser mais triunfal do que com a canção ‘Vestígios’.

– Na verdade, comecei no Blues, lá na cena em Belo Horizonte. No fim dos anos 1980, tocava na banda chamada ‘Eternamente Blues’. Foi uma das primeiras bandas de blues da cidade. Transferi-me para a região em 1992. Quando vim para cá, o cenário não colaborava muito para o blues. Ainda toquei no começo, tentei implantar o estilo aqui, mas a região não estava amadurecida para isso – lamenta o vocalista que atualmente mora em Arraial do Cabo.

Mesmo assim, o guitarrista ainda construiu uma história respeitável dentro do famoso gênero musical. Léo ainda se apresentaria em grandes festivais e conheceria grandes nomes do blues.

– Passei a tocar outras coisas. Trabalho como músico, portanto, precisei me adaptar. No entanto, nesse caminho, ainda fui para fora daqui da cidade e toquei no ‘Muller Time Blues’, maior festival do Rio de Janeiro. Nessa época, dividi palco com o Celso Blues Boy, o maior showman de blues que o Brasil já teve. Ele faleceu há pouco tempo.

Com a carreira consolidada, o compositor se permite a voltar para as origens.

– Agora, com mais de 25 anos de estrada, tenho trabalhado bastante aqui e fora. No Rio de Janeiro, resolvi voltar para minhas origens. Quando me proponho a ser músico, pelo menos para mim, tenho que tocar o que gosto.

A principal influência, é claro, é daqui. O resto vem de fora.

Na verdade, o Jimi Hendrix foi o primeiro cara que eu ouvi né? Também teve o Eric Clapton, B. B. King, Buddy Guy... Mas o principal mesmo foi o Celso Blues Boy: ele me fez tocar blues – conta.