Assine Já
quinta, 24 de setembro de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7942 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1581 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 231 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 649 36
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
literatura

Flip confirma programação com sensação norueguesa

Knausgård,Svetlana Aleksievitch e Tati Bernardi são alguns nomes que figuram na lista da feira internacional

15 maio 2016 - 15h12Por Gabriel Tinoco

Com tradição em trazer vozes heterogêneas para sua programação, a Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) deste ano vai fazer ecoar pelas ruas da charmosa cidade as histórias da sensação norueguesa Karl Ove Knausgård (autor da aclamada série de autoficção ‘Minha Luta’); da Nobel de Literatura Svetlana Aleksievitch; e do autor do alternativo ‘Trainspotting’, Irvine Welsh. A programação, que conta também com nomes nacionais como Tati Bernardi e Caco Barcellos, foi divulgada na última semana pela organização do evento, que acontece entre os dias 29 de junho e 3 de julho (quarta a domingo).

Knausgård é um antigo desejo da Flip. Em 2013, o norueguês foi anunciado para o primeiro escalão do evento, mas cancelou a participação de última hora, frustrando os milhares de leitores que angariou no país com a série ‘Minha Luta’. Nesta obra de autoficção, o autor reativa memórias de desde a infância até os dias presentes para contar a história da sua vida em uma espécie de digressão proustiana, partindo do indivíduo para a totalidade. A obra foi amplamente elogiada, fazendo com que Knausgård, hoje, seja celebrado por muitos críticos como o maior escritor da atualidade. Até agora, ‘Minha Luta’ tem três livros publicados no Brasil: ‘A Morte do Pai’, ‘Um Outro Amor’ e ‘A Ilha da Infância’; os três restantes serão publicados nos próximos anos.

 Outro nome de peso é a jornalista bielorrussa Svetlana Aleksievitch. Vencedora da agracia- ção máxima da Literatura (a 14ª mulher da lista), ela tem como maior trabalho ‘Vozes de Chernobil: A história oral de um desastre nuclear’ (1997). O livro traz uma série de entrevistas feitas em dez anos com testemunhas do mais conhecido acidente nuclear da história. A publicação chegou a ser censurada em Belarus. Svetlana foi a primeira a confirmar presença na Flip.

*Confira matéria completa na edição deste fim de semana da Folha dos Lagos.