Assine Já
quinta, 01 de outubro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8438 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1675 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 256 15
Cabo Frio 2775 149
Iguaba Grande 699 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
roda cultural

Fiscais da Prefeitura tentam acabar com Roda Cultural na Passagem

Evento acontece na Praça da Bandeira

21 julho 2015 - 20h35
Fiscais da Prefeitura tentam acabar com Roda Cultural na Passagem

O clima ficou tenso agora à noite na Roda Cultural de Cabo Frio, que reúne diversas manifestações artísticas na Praça da Bandeira, Passagem. Segundo informações dos organizadores, fiscais de postura da Prefeitura chegaram para desligar o som e parar o evento. No entanto, os artistas resistiram porque segundo a rapper Taz Mureb, a produção possuía o “Nada Opor” tanto na prefeitura quanto na Polícia Militar.

– Gravamos um vídeo do fiscal ameaçando, dizendo que se não desligássemos o som nunca mais faríamos eventos em Cabo Frio. Vamos chamar a polícia porque temos autorização para estar aqui – protestou. 

Antes restrita ao universo do rap e do hip hop, a roda passou a contar, nas últimas edições, com a participação de coletivos de outros segmentos, entre os quais Assim Que a Banda Toca, Caiçara Arts, Laboratório Criativo, Coletivo Raiz e #RapDiMina, este último da rapper e produtora Taz Mureb, idealizadora do evento, em 2012. Para ela, se trata de uma maneira de dar visibilidade ao trabalho dos artistas cabofrienses.

– Em primeiro lugar, quisemos integrar diversos segmentos de artistas da cidade. A gente tem muitos artistas de talento, mas que estão esparsos, cada um fazendo o seu trabalho, e a gente quis uni-los. A gente não tem incentivo governamental, nem empresarial. Não temos muitas casas de show e teatros para nos apresentar. Então, além de integrar os artistas e criar palco e público, queríamos movimentar a cena cultural da cidade – afirmou a rapper, continuando: 

– A gente acredita que para uma cidade ter pleno desenvolvimento, tem que começar com Educação. Então como não somos professores, educamos com a arte. A gente está com essa ideia de fazer uma frente artística apartidária. Na verdade, acho que a arte é o único partido que luta a favor do povo – diz, como de costume, sem meias palavras.