Assine Já
quarta, 23 de junho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Alerj2
Alerj3
TEMPO REAL Confirmados: 43602 Óbitos: 1679
Confirmados Óbitos
Araruama 10812 339
Armação dos Búzios 5233 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11637 622
Iguaba Grande 4474 107
São Pedro da Aldeia 5916 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
Ingresso

Espetáculo ‘Hominus Brasilis’ traz linguagem inovadora ao Teatro Municipal

Membros do Clube do Assinante da Folha ganham 50% de desconto na compra do ingresso

09 setembro 2015 - 12h28

GABRIEL TINOCO

 

“Sábio é aquele que se con­tenta com o espetáculo do mundo”, já diria o heterônimo de Fernando Pessoa, Ricardo Reis. Neste fim de semana, a peça Hominus Brasilis, da Cia de Teatro Manual, é que faz do mundo um espetáculo, em Cabo Frio. A apresentação, que narra episódios marcantes da história da humanidade, está em cartaz no Teatro Municipal na quinta e sexta-feira, a partir das 20h.

E, para quem faz assinatura da Folha, mais uma vantagem. Membros do Clube do Assinante pagam apenas o valor da meia entrada, ou seja R$ 5: basta apresentar o cartão na bilheteria.

                             

A peça traz fatos históricos com uma maneira de atuar um tanto inusitada. Um grupo de quatro atores – Helena Marques, Matheus Lima, Dio Cavalcanti e Patricia Ubeda – foram esco­lhidos para interpretar aconte­cimentos memoráveis com um único aliado: um palco de ape­nas dois metros quadrados e sem nenhuma montagem de cenário. A linguagem corporal é explora­da pelos artistas com um olhar irreverente sobre a passagem do ser humano pelo mundo.

A princípio, foi realizada uma pesquisa sobre o espaço do palco e as possibilidades de en­cenação de cenas grandiosas. O tamanho do palco foi reduzido propositalmente para os olhares da plateia se concentrarem nas atuações. Inovadora, a proposta agradou ao crítico teatral Lionel Fischer pela ousadia da trama.

– Uma proposta sem dúvida original. Tal desafio, ainda que salutar, poderia resultar numa catástrofe. Mas ocorre rigoro­samente o inverso. O resultado é absolutamente encantador, o que demonstra as infinitas pos­sibilidades de expressão que o teatro permite – analisa ele, en­cantado com as atuações.