Assine Já
domingo, 17 de outubro de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52181 Óbitos: 2123
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6500 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14677 858
Iguaba Grande 5464 140
São Pedro da Aldeia 6968 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Memória da cidade

Dia do Historiador: relembre as curiosidades da Aldeia de 404 anos

Com narrativas das lendas locais, conheça a trajetória de Geraldo Luiz Ferreira, pesquisador que ajuda a contar a história de São Pedro da Aldeia

20 agosto 2021 - 15h59Por Aline Torres Guimarães / Ascom Prefeitura São Pedro da Aldeia

A cidade com mais de 100 mil habitantes e 404 anos, mas que ainda mantém o nome de Aldeia, traz em sua memória as lendas e histórias dos personagens ilustres do município. Em comemoração ao Dia do Historiador, que foi celebrado nesta quinta-feira (19), conheça alguns mitos e curiosidades de São Pedro da Aldeia através da sabedoria de uma figura de grande relevância para a conservação e divulgação da memória aldeense, o pesquisador Geraldo Luiz Ferreira.

Orgulhoso dos artefatos e documentos históricos que reuniu ao longo dos anos, o memorialista folheia os livros centenários com a familiaridade de um antigo amigo. Para Geraldo, o trecho do livro “Bicentenário da Restauração da Companhia de Jesus 1814-2014”, que diz que a memória e a identidade estão ligadas por profundos laços, representa a importância de preservar a história do município. “Quem esquece seu passado não sabe quem é”, cita em tradução livre. 

Lendas aldeenses

A Lenda da Mãe do Ouro 

Este mito passa de geração em geração desde quando os índios habitavam a aldeia. Segundo os relatos dos antigos moradores, nas noites muito escuras, aparecia uma luz forte que surgia no alto da Serra da Sapiatiba e clareava o céu. “Em seguida, esta intensa luz, no formato de uma grande bola de fogo, se deslocava no espaço em direção à Lagoa de Araruama, deixava com a sua luz, as águas das suas margens tingidas de dourado e, misteriosamente, da mesma forma inesperada como surgia, desaparecia”, conta Geraldo. Ele destaca que o nome “Mãe do Ouro” deriva, provavelmente, do fato de que a intensa luz amarelada sobre as águas da lagoa “dava à luz a um mar de ouro”, diz.

Lenda do canhão 

Um dos símbolos mais conhecidos do município, o Canhão da Praça Dr. Plínio de Assis Tavares, é uma peça de artilharia do tipo “meio canhão”, feita de ferro por volta do século XVI. Tinha o objetivo de informar a aproximação de esquadras inimigas. Segundo conta o memorialista Geraldo Ferreira, sua localização original era na Praia do Sudoeste, em local hoje conhecido como Ponta da Peça.

É com um carinho especial que o pesquisador narra a lenda: “Reza a tradição, e há quem jure sobre a sua infalibilidade, que o visitante ou forasteiro que participar de uma reunião no canhão, ou nele se sentar, ficará impregnado por um espírito mágico de identidade com a gente, com a terra e com a cultura aldeenses que fará com que aqui permaneça, ou com que aqui algum dia retorne para reviver momentos de felicidade, de alegria e de encantamento”.

Geraldo afirma que já teve a felicidade de registrar o mito realizando-se com amigos do nordeste, que reuniram-se em torno do canhão e devido à realização de um projeto retornaram à cidade anos depois. 

Lenda do Poço 

O poço de São Pedro da Aldeia foi construído na primeira metade do século XIX e foi uma importante fonte de abastecimento de água até meados do século XX. O mito anuncia consequências similares à do canhão da praça. Diz a lenda que quem da água do Poço de São Pedro beber, permanecerá ou terá vínculos eternos com a cidade. Sobre a narrativa popular, Geraldo brinca que quando jovens, Maria do Rosário, hoje sua esposa, costumava brincar que daria a água do Poço de São Pedro para que ele se estabelecesse no município. O sentimento falou mais forte e, mesmo sem beber a água do poço, o casal vive em uma das ruas mais tradicionais do Centro da cidade. A casa mantém vivo o sentimento de pertencimento, com parte do calçamento "pé de moleque'' original.

A trajetória de quem ajuda a contar a história aldeense

Geraldo Luiz Ferreira não é filho da cidade, mas se familiarizou com as peculiaridades da Aldeia por meio das histórias passadas de geração a geração por seu avô, tio-avô e seu pai. Nasceu no Rio de Janeiro, quando as viagens a São Pedro da Aldeia eram uma aventura, especialmente com crianças pequenas. Com a vinda da Estrada de Ferro, em 1937, que ligava Niterói a São Pedro, as viagens, ainda que custosas e longas, tornaram-se uma realidade. 

E foi com o percurso de mais de sete horas de duração que Geraldo iniciou o contato com a cidade natal de seu pai. “Cheguei, conheci minha família, banhei-me na lagoa, comi camaroada, carapeba e carapicu, adotei os amigos dos meus primos, senti correr nas minhas veias o sangue dos meus antepassados e naturalizei-me aldeense”. 

‘[...] banhei-me na lagoa, comi camaroada, senti correr nas minhas veias o sangue dos meus antepassados e naturalizei-me aldeense’

Constituiu família com a moça que morava na casa vizinha à de seu avô, a Maria do Rosário Pinheiro Lobo Ferreira. O interesse pela cidade levou o jovem Geraldo a pesquisar e colecionar livros, histórias, documentos e objetos de inestimável valor para o estudo da história aldeense.

O pesquisador e memorialista da cultura, tradição e história aldeense, Geraldo Ferreira cita o filósofo Immanuel Kant quando fala sobre sua contribuição a estudiosos: “Nós não vemos as coisas como elas são, nós as vemos como nós somos”.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.