Assine Já
domingo, 25 de outubro de 2020
Região dos Lagos
23ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9419 Óbitos: 486
Confirmados Óbitos
Araruama 1914 111
Armação dos Búzios 582 10
Arraial do Cabo 298 15
Cabo Frio 3084 168
Iguaba Grande 826 38
São Pedro da Aldeia 1456 71
Saquarema 1259 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
VIDA ANCESTRAL

Curta-metragem resgata memória dos sambaquis na Região dos Lagos

"Um Jantar no Sambaqui" tem a duração de 40 minutos e já está disponível no You Tube

22 setembro 2020 - 18h55Por Julian Viana

Você já ouviu falar nos sambaquis? A palavra de origem tupi-guarani significa ‘amontoado de conchas’. Muito além de uma definição, o termo apresenta indícios de um povo que habitou essas terras há milênios. Com o intuito de resgatar a memória identitária deste povo na Região dos Lagos, o curta-metragem “Um Jantar no Sambaqui” foi feito por artistas locais. A obra tem a duração de 40 minutos e já está disponível no You Tube. 

Idealizado pela artista Liana Turrini, o projeto tem como objetivo principal apresentar como vivia o povo sambaqui . Segundo Liana, o curta é uma viagem no tempo, que nos mostra como o povo pescava e temperava o pescado com aroeira e sal grosso. 

– O sambaqui envolve toda uma construção do amontoado. Era um povo que tinha certo tipo de vida e que, ao longo do tempo, foi se aprimorando. Existem 160 sambaquis aqui na região. O próprio Shopping Park Lagos foi construído em cima de vários deles – ressalta.

Liana mora da Região dos Lagos há 40 anos e possui o título de cidadã cabo-friense. Ela também foi presidente da Associação de Meio Ambiente de Cabo Frio, que defende o patrimônio dos sambaquis. Ela conta que sempre se encantou com o modo de vida e as curiosidades da pré-história.

A artista também afirma que “a história do homem sambaqui está soterrada” e que precisa ser valorizada. Por se tratar de uma viagem no tempo de seis mil anos, o fio utilizado para apresentar o elo entre o passado e o presente foi a restinga. 

– O povo sambaquiano viveu há dois mil anos. Não dominava a olaria (barco e cerâmica), a agricultura e a domesticação de animais. Viviam da caça e coleta. Quando os tupinambás saíram da Amazônia, em 1300, resolveram ocupar todo o litoral brasileiro e encontraram o povo sambaqui aqui no litoral – relembra. 

Com a direção do Guto Madeira, o processo de gravação e edição do filme durou um mês. O projeto foi contemplado pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro, através do edital Cultura Presente nas Redes. O curta está entre os 70 projetos que foram aprovados de toda a Região dos Lagos. 

– Confesso que foi um baita desafio para toda a nossa equipe. O projeto é uma produção totalmente independente de artistas locais. Todo o filme é de nossa produção, desde o som ambiente, figurino, coloração, sonoplastia e imagens capturadas – ressalta Guto, enfatizando que foi um trabalho bem detalhado em um prazo de tempo curto. 

“Se a restinga era mãe, o mar era o pai do sambaqui”

Liana conta que o texto é de sua autoria. A literatura intelectual-poética da artista contou com dialetos locais, que foram utilizados com o intuito de resgatar a memória de todo o povo. A artista ressalta que os movimentos de agachar e remar estão ligados ao comportamento sambaqui. 

No curta, uma receita é realizada para representar como o povo se alimentava na época. A caça e a pesca fazem parte de toda a história do povo. Além da culinária, o artesanato também foi abordado no curta, onde os pratos foram feitos com conchas e fibras da folha do guriri, e os talheres e outros utensílios da cozinha com galhos de aroeira. 

– Esta memória identitária resgatada pode gerar um novo olhar para o turismo de base alimentar. A anchova com batata frita e salada pode ser substituída por uma posta de cavala – ressalta Liana. 

A obra contemporânea relembra o passado e o transforma para o presente, visando o futuro com base na memória identitária.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.