Assine Já
segunda, 18 de outubro de 2021
Região dos Lagos
21ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52181 Óbitos: 2123
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6500 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14677 858
Iguaba Grande 5464 140
São Pedro da Aldeia 6968 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
"É O FIM DO CAMINHO"

Crise leva o Som do Mar, em Cabo Frio, a fechar as portas

Anúncio do encerramento das atividades do centro cultural da Passagem foi feito neste sábado (18)

18 abril 2020 - 21h09Por Rodrigo Branco

Onde havia os acordes precisos do violão, as batidas sincopadas no pandeiro e o abraço dos corpos suados ao som do forró, agora há silêncio. Se a calmaria já imperava na casa de arquitetura colonial, que foi moradia da ativista ambiental Amena Mayall, desde o início da quarentena imposta pela epidemia do novo coronavírus; neste sábado (18), foi anunciado o encerramento definitivo das atividades da casa de cultura Som do Mar, mistura de bistrô e espaço cultural da Passagem, que era ponto de encontro de artistas e intelectuais de Cabo Frio desde outubro de 2018. O comunicado foi feito por um dos sócios do espaço, o músico Azul Casu.

A crise financeira que se esboçava antes mesmo do problema de saúde pública que o mundo inteiro atravessa, se acentuou com a interrupção obrigatória por causa da Covid-19, tornando inviável o pagamento das despesas e a manutenção da casa, que abrigava exposições, shows, cursos e oficinas; e era parceira da Folha dos Lagos desde a sua fundação.

A notícia do encerramento das atividades do Som do Mar causou comoção não apenas na classe artística da região, como no público em geral, que desenvolveu uma relação de afeto com o local, palco por excelência para os artistas locais e de outros estados, que agora estão ‘órfãos’.

À Folha, Azul Casu disse que se emocionou ao ler as dezenas de mensagens de amigos e frequentadores. O artista e empresário disse que não há previsão para uma eventual reabertura, que será estudada após a crise, e preferiu enaltecer a história escrita pela casa de cultura, e as parcerias construídas ao longo de um ano e meio de existência.

– Nesse momento, a gente só sabe que a semente foi lançada. No que vai dar daqui pra frente a gente não consegue fazer nenhum prognóstico agora. Realmente, a empresa faliu, dificuldade que toda microempresa já passa. Com o agravamento da crise pelo corona, por não conseguir abrir, aconteceu isso. Acho que fica a vontade de contar a história da cultura de Cabo Frio, a vontade de unir os artistas, a vontade de respeitar o público – declarou.

Presença constante na casa, onde também dava cursos, o violonista Júnior Carriço falou com emoção sobre a notícia do fechamento. O músico se referiu ao local como ‘templo do sagrado e do profano da arte’. Para Júnior, o que aconteceu no Som do Mar, durante sua existência, não encontra paralelo na história da cultura da região.

– É um movimento, no meu ponto de vista, que não se viu até hoje o tamanho, na Região dos Lagos. Vai ficar marcado, e provavelmente não vai acabar porque se o espaço físico termina, as pessoas estão aí, com a sua inquietação, o carinho e o amor que reuniu toda essa rapaziada, e essa criatividade gigantesca – acredita.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.