Assine Já
sábado, 13 de agosto de 2022
Região dos Lagos
25ºmax
15ºmin
VIAJE BEM Confira 331 hospedagens bem avaliadas na Região dos Lagos
MEMÓRIA NEGRA

Comissão para implantar Centro da Herança Africana em Cabo Frio faz primeira reunião presencial

Encontro reuniu integrantes da Prefeitura, da sociedade civil e da parceira Uenf

04 julho 2022 - 10h42Por Redação

A comissão que propõe a implantação de um Centro da Herança Africana e Tradições Quilombolas na Fazenda Campos Novos, no distrito de Tamoios, se reuniu pela primeira vez de forma presencial, no último sábado (2). O encontro teve a participação do coordenador-geral de Igualdade Racial, Manoel Justino; de integrantes da comissão, composta por representantes do governo municipal e da sociedade civil; e de professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf), instituição parceira no projeto. O vereador Davi Souza também esteve presente.

A reunião realizada na Igreja de Santo Inácio, que integra o complexo da Fazenda Campos Novos, teve o objetivo de definir o cronograma de ações, que inclui a leitura dos documentos existentes e a elaboração do projeto. Para os próximos meses, foram marcados encontros ampliados com o intuito de levantar os estudos e debates sobre o território onde fica a Fazenda, que tem grande presença de comunidades quilombolas no entorno.

Para isso, está prevista a realização de um simpósio, no fim de agosto; e de um fórum, em setembro. Serão oportunidades para dialogar com os estudiosos da Fazenda e de sua história, assim como para dar voz aos habitantes daquela região. O coordenador-geral da Igualdade Racial de Cabo Frio, Manoel Justino, ressaltou a importância de preservar a memória da população quilombola.

“Nessa parceria da restauração da Fazenda e da instalação do campus da Uenf, estamos discutindo o Centro de Referência da Herança Africana e Tradições Quilombolas. No conjunto de participação da universidade, essa comissão vai desenhar como vai funcionar o Centro, que será uma grande fonte de pesquisa e de preservação das tradições quilombolas, numa área em que a presença negra e indígena é bastante importante”, destacou Manoel Justino.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.