Assine Já
sexta, 05 de março de 2021
Região dos Lagos
31ºmax
21ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 27159 Óbitos: 934
Confirmados Óbitos
Araruama 6957 183
Armação dos Búzios 3253 32
Arraial do Cabo 865 38
Cabo Frio 7495 359
Iguaba Grande 2563 58
São Pedro da Aldeia 3575 130
Saquarema 2451 134
Últimas notícias sobre a COVID-19
espaço

Com obras avançadas, Espaço Ateliê de Búzios será aberto em outubro

Último projeto do arquiteto Zanine Caldas terá oficinas e exposições

21 setembro 2015 - 08h00Por Rodrigo Branco
Com obras avançadas, Espaço Ateliê de Búzios será aberto em outubro

Rodrigo Branco

Mundialmente conhecida pelas belezas naturais e pela atmosfera charmosa, Armação dos Búzios também quer começar a ser uma referência no campo cultural. Dona de uma inquieta e interessante cena artística, a cidade se prepara para inaugurar em breve – a atual previsão é no fim de outubro − o aguardado Ateliê Escola de Arte Zanine, ou Espaço Zanine, em homenagem ao celebrado arquiteto baiano José Zanine Caldas (1919-2001), que trabalhou com Oscar Niemeyer e Lúcio Costa.

Ao lado da Prefeitura, o espaço funcionará onde ficava o antigo mercado de artesanato. A ansiedade pela reabertura do local, que está sendo inteiramente reformado, é proporcional ao tempo que o projeto demorou a sair do papel: 12 anos. Fruto de um convênio da Prefeitura com o Governo Federal, as obras chegaram a ser paralisadas por muito tempo, em função de entraves burocráticos, o que chegou a causar descrença na população quanto ao seu término. Mas, retomadas em 2013, as intervenções, enfim, estão próximas da conclusão. 

Na construção, a última projetada pelo homenageado Zanine e que possui  formas e materiais – sobretudo a madeira – que respeitam a arquitetura local, funcionarão seis ateliês para cursos gratuitos que vão durar inicialmente entre três e quatro meses. Estão previstas aulas de escultura em metais diversos; cerâmica; pintura; desenho; gravura; fotografia e design de produtos, entre outros. Além disso, o espaço abrigará exposições permanentes com peças de artistas plásticos de toda a região, possivelmente, de formandos da escola. Para o secretário municipal de Turismo, Alexandre Raulino, a Cultura buziana precisava de ‘uma casa’.

−Isso aqui tem uma dupla função, uma social e educadora, que é a função do ateliê escola de arte, e outra que é da exposição. Então cumprimos um papel social, pois as aulas serão completamente gratuitas para a população buziana e o espaço de exposição é onde o próprio aluno vai ver onde a obra dele pode parar. É para ele se estimular, se interessar, se incentivar a produzir cultura, que produzíamos muito, mas faltava um ponto de irradiação. Na verdade isso é um centroide da arte buziana – avalia Raulino.

Apostando na tendência mundial de fazer da Cultura a mola propulsora do Turismo, Raulino pretende que o ateliê escola faça parte de um eixo que compreenda outros equipamentos culturais da cidade, como o Cine Bardot. A curadoria das exposições, ele garante, ficará a cargo dos próprios artistas, sem interferências políticas. 

Entretanto, independentemente disso, um dos objetivos principais é, na realidade, promover a interação entre artistas e diletantes em animadas e interessantes conversas no Café que funcionará no local. Movimento vital que empolga o futuro gestor do espaço, o artista plástico Luiz Antonio Marangoni.

− A intenção é também promover o encontro de artistas para troca de ideias, de projetos. Era uma coisa que faltava. Há muitos artistas em Búzios, mas cada um em um lugar. A ideia é ser um ponto de encontro. Fora os ateliês e as pessoas que trabalham aqui, muita gente poderá vir para conversar e se inteirar do que acontece – prevê.