Assine Já
sábado, 13 de agosto de 2022
Região dos Lagos
25ºmax
15ºmin
VIAJE BEM Confira 331 hospedagens bem avaliadas na Região dos Lagos
Cultura

Cabo Frio mantém silêncio sobre reabertura do Teatro Municipal

Prédio segue fechado desde 2017, com funcionamento apenas para ensaios e estudos

27 julho 2022 - 12h39Por Cristiane Zotich
Cabo Frio mantém silêncio sobre reabertura do Teatro Municipal

O artigo 215 da Consti­tuição diz que “o Es­tado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valori­zação e a difusão das manifes­tações culturais”. Em Cabo Frio, no entanto, artistas, moradores e visitantes estão encontrando dificuldade em ver esse direito constitucional ser respeitado, principalmente no que se refere aos espetáculos teatrais. Inaugu­rado em 14 de agosto de 1997, e fechado desde janeiro de 2017, o futuro do Teatro Municipal Inah de Azevedo Mureb, em Cabo Frio, segue cercado de dúvidas e mistérios. Entre os muitos pro­blemas que impediam a reaber­tura do espaço estavam falta de energia elétrica (aparentemente já resolvida) e problemas estru­turais que precisam de solução para liberação de documentação pelo Corpo de Bombeiros.

As poucas informações sobre o assunto vêm de artistas locais, como José Facury, um dos fun­dadores do grupo Creche na Co­xia e membro do Conselho Esta­dual de Cultura. Segundo ele, há poucos dias foi convocada uma reunião com participação dos conselheiros de artes cênicas, membros da Câmara de Teatro, e representantes da Secretaria Municipal de Cultural sob o co­mando do secretário Clarêncio Rodrigues, além do secretário adjunto de Planejamento, Sér­gio Nogueira.

– Participei dessa reunião como conselheiro estadual. Nela falaram dos procedimentos em curso, como a licitação para apresentação do projeto para o acabamento da obra, incluindo as instalações cênicas. O que, ao ver deles, está previsto para março de 2023, o que nos dei­xou frustrados quanto ao prazo, mas esperançosos se ele abrir com a sua completude técnica. A Câmara de Teatro vai acom­panhar o andamento do assunto – contou o ator e diretor teatral. 

A Folha pediu nota à Prefei­tura sobre o assunto, mas não teve resposta até o fechamento desta edição. Aliás, desde outu­bro de 2021 o jornal vem tentan­do, sem sucesso, buscar novas informações sobre a reabertura do espaço. Na época, uma luz de esperança tomou conta dos ar­tistas da cidade, com o anúncio de que a Prefeitura de Cabo Frio e a Enel fizeram um acordo para o governo municipal quitar, em 36 parcelas, uma dívida de R$ 25.637.166,16 relativas ao forne­cimento de energia elétrica em vários prédios públicos, durante os períodos de março de 2003 até dezembro de 2020. Além do Teatro, que teve a luz religa­da poucos dias após o acordo, também deveriam ter a energia elétrica restabelecida o Ginásio Alfredo Barreto, no Itajuru; o Ginásio Vivaldo Barreto, no Jardim Esperança, e o Estádio Correão, em São Cristóvão.

Antes disso, em fevereiro de 2021, o prédio do Teatro Muni­cipal de Cabo Frio foi visitado pelo arquiteto Marcos Flaks­man, autor do projeto original do espaço. A visita, que foi acompanhada pelo prefeito José Bonifácio, teve o objetivo de avaliar todo o prédio, verifican­do inicialmente as revitalizações que serão necessárias para a re­tomada do funcionamento. Na visita, o prefeito chegou a anun­ciar que em breve teria, detalha­damente, tudo o que precisa ser feito para que se possa reabrir a o teatro “com a grandeza que ele merece e com a valorização dos nossos artistas locais”. 

Em julho do mesmo ano sur­giu mais uma pontinha de es­perança, quando a secretária de Estado de Cultura e Economia Criativa, Danielle Barros, este­ve em Cabo Frio e se encontrou com o secretário de Cultura de Cabo Frio, Clarêncio Rodrigues. Entre algumas possibilidades, estava o apoio na revitalização do Teatro Municipal, inclusive com aquisição de equipamentos técnicos como iluminação, por exemplo, via leis de incentivo. 

Em março deste ano a Pre­feitura divulgou que o prédio estava em processo final de reforma. No entanto, o teatro segue fechado e sem data para reabertura oficial e retorno de espetáculos e festivais culturais. O funcionamento é apenas par­cial, com liberação apenas das salas de ensaio e de estudo, com agendamento e número limita­do de pessoas, para a realização de pequenas oficinas, ensaios e reuniões. Já a área da plateia e o palco seguem fechados.

Cidades vizinhas reabrem casas de espetáculo

Na contramão de Cabo Frio, o teatro Dr. Átila Cos­ta, em São Pedro da Aldeia, passou por reforma em 2020. Ficou fechado durante o pe­ríodo de pico da pandemia de covid-19, mas já voltou a funcionar novamente. Na parte externa, a área de es­tacionamento recebeu cer­ca de 140 metros de rede de drenagem e assentamento de meios-fios. O espaço ganhou ainda calçamento, serviços de paisagismo e demarcação de vagas para os veículos. A obra foi fruto de um contrato de repasse celebrado entre a Prefeitura aldeense e o Minis­tério do Turismo. Desde que foi reaberto, o espaço vem movimentando a cultura do município vizinho através das atividades da Escola de Artes Municipal. Em fevereiro des­te ano foram oferecidas 480 vagas distribuídas em oficinas gratuitas de dança, música, teatro, artesanato e desenho, com aulas presenciais, do in­fantil ao adulto.

Outro teatro que foi fe­chado para reformas, mas já voltou a funcionar, é o Teatro de Bolso Procópio Ferreira, em Campos dos Goytacazes. Ele estava fechado desde de­zembro de 2021 para uma reforma no telhado e, pos­teriormente, para instalação de novas calhas, reposição de telhas e mantas, impermeabi­lização da laje; instalação de aparelhos de ar-condicionado nos camarins e no mezanino do foyer; reparos e colocação de nova vestimenta (tecidos do palco) na caixa cênica; e pintura em andamento nas áreas interna e externa. A cerimônia de reabertura do espaço aconteceu no dia 26 de junho e contou com apre­sentações de música, dança e leitura dramatizada. O local ganhou novos equipamentos através da Secretaria de Es­tado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.