Assine Já
sábado, 15 de maio de 2021
Região dos Lagos
24ºmax
16ºmin
Alerj
Alerj
TEMPO REAL Confirmados: 38271 Óbitos: 1463
Confirmados Óbitos
Araruama 9632 300
Armação dos Búzios 4705 57
Arraial do Cabo 1332 69
Cabo Frio 10222 542
Iguaba Grande 3800 93
São Pedro da Aldeia 5306 227
Saquarema 3274 175
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cultura

Bonsai e suiseki em exposição no Charitas

Artista plástico Marcelo Martins é pioneiro na técnica do bonsai com a espécie “jacaré”

20 fevereiro 2019 - 10h00
Bonsai e suiseki em exposição no Charitas

Está em exposição no Museu José de Dome, o Charitas, até o próximo dia 15 de março, o trabalho do artista plástico Marcelo Martins, com bonsai e suiseki. Os bonsai são plantas em miniatura e os suiseki são pedras formadas pela natureza que podem sugerir diferentes paisagens ou figuras. Ambos os tipos de trabalho são derivados da cultura oriental.

Os bonsai, que são elementos mais conhecidos do público em geral, estão expostos no corredor cultural ao lado do Charitas, e impressionam pela beleza. Embora sejam miniaturas de árvores, mantidas em tamanho controlado, os exemplares cultivados por Marcelo são grandes e imponentes. Alguns chegam  a precisar de aproximadamente 15 anos de cultivo para tomarem a forma atual.

Uma das características peculiares de Marcelo é ter sido pioneiro, nos anos 2000, na apresentação da espécie conhecida como “jacaré” (Pithecolobium tortum) para a produção dos bonsai, o que repercutiu internacionalmente.

– Meu primeiro trabalho com jacaré foi classificado em um concurso internacional no Japão no ano 2000. Foi quando o mundo ficou conhecendo o jacaré. Sou pioneiro nessa apresentação e virei uma referência internacional neste trabalho. Hoje já é uma planta bastante usada na produção de bonsai. É preciso entender o comportamento da planta, a irrigação, a exposição ao sol. Mas, na verdade, é um trabalho muito mais artístico do que botânico. Qualquer pessoa pode cultivar um bonsai – afirma Marcelo.

A outra paixão do artista, os suiseki, estão expostos na parte interna do Charitas. São rochas colhidas na natureza que passam por um processo de entalhamento para evidenciar a paisagem enxergada pelo artista. A palavra suiseki significa “pedra na água”.

– Toda rocha tem uma expressão. É uma coisa aberta, como uma nuvem. Cada um pode enxergar uma coisa. Então eu vejo uma paisagem e faço um corte na pedra retirando aquilo que não faz parte da paisagem. Depois faço a ‘daiza’, que é uma base em madeira de lei, exatamente no contorno da pedra, e assim se forma a escultura – conta o artista plástico.

As peças em exposição estão à venda e variam entre R$ 10 mil, no caso dos suiseki, até mais de R$ 100 mil, no caso dos maiores bonsai. Pequenos bonsai, no entanto, podem custar a partir de R$ 500. Já a entrada para visitar a exposição é gratuita. O Charitas fica aberto ao público de segunda a sexta, das 9h às 20h, e aos sábados e domingos das 15h às 20h.