Assine Já
segunda, 13 de julho de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 272 7
Arraial do Cabo 16 84 11
Cabo Frio X 1037 64
Iguaba Grande 12 241 20
São Pedro da Aldeia 10 530 19
Saquarema 32 566 33
Últimas notícias sobre a COVID-19
Aulas

Boas-vindas com a poesia do Santinho

Capa do F+ sobre Victorino Carriço inspira volta às aulas de escola em Monte Alto

05 agosto 2015 - 08h08

Rodrigo Branco

 

Uma noite, no mínimo, dife­rente. O que tinha tudo para ser apenas um aborrecido ritual de reapresentações na volta às au­las da Escola Municipal Fran­cisco Luiz Sobrinho, em Mon­te Alto, distrito de Arraial do Cabo, se transformou em uma recepção musical com ares de sarau literário.

Isto porque, por iniciativa da supervisora pedagógica Jana Soares e do professor de Língua Portuguesa, João Resende Mo­reno, os alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA) foram recepcionados ao som de com­posições do poeta aldeense Vic­torino Carriço, que completaria 103 anos na semana passada, e de clássicos da MPB.

As interpretações ficaram a cargo dos músicos da região Jú­nior Carriço (violão e voz), Luiz Cláudio Cacadio (sax e flauta) e Normando (violão). Como ins­piração, a capa do suplemento F+ da último dia 25, com ma­téria ‘O Poeta está Vivo’, que celebra a vida e a obra do ‘San­tinho’, apelido pelo qual Victori­no era chamado.

– Fiquei muito emocionado com a capa do jornal que disse que ‘o poeta está vivo’. Uma maravilha. A escola explodindo e os alunos bebendo a água do amor, da cultura, da música e da vida que é o que a gente tem, é o nosso patrimônio – filosofa Jú­nior Carriço, neto do poeta.

Entre os estudantes, olhares curiosos, entre uma ou outra re­ação de estranhamento frente ao desconhecido, mas para nenhum deles passou despercebido o uni­verso das melodias de Santinho, Tom Jobim e Pixinguinha.

– Tivemos a oportunidade de dar aos alunos uma experiência nova, que foi ter contato com uma cultura diferente que nem todo o dia se tem chance. To­dos nós, alunos e profissionais, fomos muito privilegiados esta noite – comentou a diretora da unidade, Emília Souza.