terça, 18 de junho de 2024
terça, 18 de junho de 2024
Cabo Frio
21°C
Park lagos
Park Lagos 2
Cultura

Astrônomo Wagner Sena leva projeto para escola de Cabo Frio de forma voluntária

20 maio 2024 - 17h00Por Redação
Astrônomo Wagner Sena leva projeto para escola de Cabo Frio de forma voluntária

Na cidade de Cabo Frio, um projeto educacional ambicioso está prestes a lançar luz sobre os céus noturnos e despertar o interesse pelo cosmos entre os jovens estudantes. Intitulado “Os Céus de Cabo Frio”, assume o desafio de introduzir a astronomia no currículo escolar, levando os alunos a uma jornada de descoberta que vai além das fronteiras terrestres. Astrônomo e colunista da Folha, Wagner Sena é o idealizador da ação, que funciona como um curso ao longo do ano letivo, com aulas duas vezes na semana, para turmas de manhã e tarde do 5° ano da Escola Municipal José Bonifácio no Jardim Peró. O lançamento aconteceu nesta quarta (15).

 A astronomia, desde tempos remotos, revelou-se uma ciência que sempre desperta curiosidades e fascínio e, segundo Wagner, o estudo dessa ciência fornece clareza sobre a origem e evolução do universo, “respondendo a perguntas fundamentais sobre nossa existência”. 

– Além disso, contribui para avanços tecnológicos, como satélites espaciais, beneficiando diversas áreas, desde comunicações até previsões climáticas. O aprofundamento no estudo da astronomia também promove o desenvolvimento do pensamento crítico e da resolução de problemas, além de inspirar a imaginação e curiosidade, fundamentais para o progresso científico e cultural - enumerou o astrônomo.

No entanto, as ambições do projeto esbarraram em obstáculos financeiros. O plano original de implementar o programa em 10 escolas municipais foi frustrado pela falta de verba destinada à educação em Cabo Frio. 

– Infelizmente, a ideia de levar o projeto para outras 10 escolas municipais foi barrado na Controladoria Geral. Além das aulas teóricas, teríamos também a prática com a construção e lançamento de mini foguetes, e construção de telescópios que os próprios alunos fariam sob minha supervisão. Como não tivemos aprovação da Prefeitura para isso, estou levando apenas para uma escola, e sem nenhum custo para o governo – contou.