Assine Já
quinta, 24 de setembro de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Larico

As histórias de Larico

Coletânea de episódios do Iluminado da Boca do Mato invade livrarias da cidade

10 agosto 2015 - 11h41

Rodrigo Branco

 

 

Para os olhos mais sóbrios, ou mal humorados, as aventuras de Larico de Zezé, menos conheci­do como Olarico José Barbosa, podem parecer nonsense, mas as aventuras do Iluminado da Boca do Mato têm muito mais de crô­nica social de Cabo Frio do que se possa supor. É quando o pri­meiro e único líder espiritual do Tabernáculo da Fé interrompe o polido repórter para fazer uma sessão de benzeção no pobre troca-letras, antes que o papo começasse a ficar sério demais.

O que nem ele com seus po­deres paranormais e o auxílio dos jogos de búzios, zerinho ou um e adedanha podia ima­ginar é que, um dia, suas histó­rias renderiam um livro, ‘Larico de Zezé - O Iluminado da Boca do Mato’ (Sophia Editora, 101 págs., R$ 30). Coletânea surgida de uma compilação de colunas publicadas na Folha ao longo de três anos, a publicação receberá lançamento à altura, hoje, a par­tir do meio-dia, no Costa Azul Iate Clube, na Gamboa, com direito a feijoada e doses fartas de ‘cachorro magro’ (cachaça com limão), a bebida preferida do empata sensitivo, muito mais empata do que sensitivo. Os in­gressos podem ser comprados no clube, na hora do evento, por R$ 45 (não assinante) e R$ 40 (assinante).

– A gente já tinha essa ideia de começar no mercado editorial há algum tempo e já conversáva­mos para que Larico fosse essa primeira experiência. Fiz um curso na Unesp, na Universidade do Livro, em São Paulo, sobre o processo de editoração do livro. Assim o livro de Larico surgiu como cobaia com a ajuda do Thiago Freitas, que foi repórter da Folha, que fez a diagramação e a capa, e o Luis Gurgel, nosso diagramador – explica Rodrigo Cabral, diretor da Sophia Edito­ra, que publica a Folha dos La­gos, sobre a primeira investida no ramo literário.

Sempre acompanhado de um séquito de inseparáveis amigos, ou obreiros, como prefere cha­má-los, o Iluminado da Boca do Mato, inspirado observador do cotidiano da cidade, não deixa barato as trapalhadas da política local e não poupa ninguém dos seus rituais, seja o prefeito, os vereadores, deputados ou secre­tários, ‘moloides’ ou não.

– O que eu acho mais inte­ressante no livro é o fato dele retratar as peculiaridades locais com tom de literatura regionalis­ta: as pessoas e os lugares que se tornaram parte do folclore de Cabo Frio. Tudo isso conduzido por um personagem divertidíssi­mo, o Larico, que eu considero o Macunaíma cabofriense. Ele só não tem preguiça é de jogar pe­dra no telhado – diverte-se Ro­drigo, comparando o sensitivo ao célebre personagem do mo­dernista Mário de Andrade.

Mesmo antes do lançamento oficial, as peripécias de Larico, com prefácio do presidente do Tamoyo Esporte Clube, Ivan Ferreira, já podem ser encontra­das nas prateleiras da livrarias Nobel, no Shopping Park Lagos; Ler & Ver, no Centro e na banca Exótica, na Praça Porto Rocha. Com sua conhecida aversão a la­var louças, siglas e cerveja quen­te. Afinal, Larico é assim mes­mo, mas às vezes é muito pior. Melhor para nós, leitores.