Assine Já
domingo, 28 de novembro de 2021
Região dos Lagos
28ºmax
20ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53491 Óbitos: 2186
Confirmados Óbitos
Araruama 12497 447
Armação dos Búzios 6580 73
Arraial do Cabo 1754 93
Cabo Frio 15408 901
Iguaba Grande 5564 147
São Pedro da Aldeia 7047 290
Saquarema 4641 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
LITERATURA

Academia Cabo-friense de Letras carrega o legado de Teixeira e Sousa há quase meio século

Entidade cultua memória do escritor que é considerado o primeiro romancista brasileiro

20 novembro 2021 - 11h00Por Rodrigo Branco

Com quase meio século de história, a Academia Cabo-friense de Letras se renova na missão de levar adiante o legado do escritor Antônio Gonçalves Teixeira e Sousa (1812-1861), considerado por muitos estudiosos de literatura como o autor do primeiro romance publicado no país: O Filho do Pescador, de 1843. No último dia 19 de julho, data em que a ACL completou 46 anos, a nova diretoria da entidade tomou posse com o compromisso de reverenciar a memória do pioneiro romancista nascido em Cabo Frio, sem perder o vigor literário nos dias de hoje.

No próximo dia 2 de dezembro, a Academia vai promover a publicação da ‘Antologia Digital 2021’, às 19h no Charitas [Museu José de Dome]. Na ocasião, será lançada a publicação de um romance de Teixeira e Sousa – A Providência – compromisso assumido pela secretária-geral da ACL, Rose Fernandes, para a reedição de uma coleção com a obra do escritor, em parceria com a editora Foco Letras.

Durante o evento, haverá ainda a apresentação do livro infantil ‘Teixeira e Sousa para Criança’, da acadêmica Rosana Andréia. Entre os projetos, a prioridade é a publicação de obras em brochura, mas com espaço para a era digital.

Nos bastidores, a luta é pelo reconhecimento do escritor cabo-friense como o primeiro romancista brasileiro por parte do Ministério da Educação (MEC). Apesar da longevidade, foi a partir de 2019 que entidade passou por uma reestruturação, com a participação de ‘imortais’ efetivos, com a participação de membros efetivos como o atual presidente Lindberg de Albuquerque Brito; do conselheiro Célio Mendes Guimarães; e também de Sylvia Maria Ribeiro, Tati Bueno, Claudio Leal, Paulo Orlando dos Santos e Aimberê Torres.

Na ocasião, foi criada uma diretoria Interina para regulamentar e atualizar a instituição, e finalmente, foi eleita uma diretoria para reativar suas atividades. Atualmente, a diretoria é composta por  Demócrito Jônathas Azevedo (presidente de honra); Célio Mendes Guimarães (conselheiro); Lindberg de Albuquerque Brito (presidente); Alessandra Azevedo (vice-presidente); Zuleika Crespo Sant’Anna (tesoureira); Rose Fernandes (secretária-geral); Rosana Andreia da Silva Soares (secretária-adjunta); e Agilson Garcia (diretor de Biblioteca e Patrimônio).

História cheia de membros e fatos notáveis – Desde 1975, a entidade reuniu mais de 40 acadêmicos, muitos deles de importância inegável para a sociedade de Cabo Frio, como Anthero Aníbal Barradas, que ocupava a cadeira de número 1, e José da Silva Massa [cadeira 25], ambos ex-presidentes do Tamoyo Esporte Clube; o escritor e professor Walter Nogueira (1915-1979), que dá nome à Biblioteca Municipal; o professor e escritor Ayrton Cristóvão dos Santos, o Tonga; o professor e escritor Francisco Affonso Santa Rosa (1930-2015), entre tantos outros que figuram na galeria da ‘imortalidade’. 

Em 1986, quase dez após a fundação, a ACL abriu suas portas paras as mulheres, com a posse da professora, escritora e jornalista Sylvia Maria Ribeiro, hoje com 73 anos. Atualmente nove mulheres ocupam as cadeiras da instituição, que conta em suas fileiras com 21 membros: Agilson dos Santos Garcia Leal; Aimberê Torres; Alessandra Azevedo; Andrea Correia Rezende; Célio Mendes Guimarães; Eduardo Gomes Pimenta; Israel Albuquerque Ribeiro de Souza; Ivo Matos Barreto Júnior; Luciane Quintanilha dos Santos; Mateus Azevedo Gago; Mauro Vitório Leal ; Paulo Cotias; Paulo Orlando dos Santos; Rodrigo Octávio P. de Andrade; Rosana Andréia da Silva Soares; Rose Fernandes; Tati Bueno; Teresa Cristina Oliveira; Valéria Torres; Vinícius Santa Rosa e Zuleica Crespo Sant’Anna.

Filiada à Academia Brasileira de Letras, a ACL já recebeu a visita de acadêmicos do quilate do jornalista e ex-presidente da ABL, Austregésilo de Ataíde (1898-1993), do intelectual e ex-ministro  da Educação, Eduardo Portella (1932-2017); e do filólogo Antonio Houaiss (1915-1999).

Fruto da vocação literária tradicional dos povoadores da região, a ACL foi idealizada por um grupo de intelectuais que moravam na cidade na década de 1970. Concluídos formalmente todos os requisitos e com as então 40 cadeiras ocupadas por intelectuais apresentados, escolhidos e aprovados pelos membros fundadores, concretizou-se formalmente com solenidade de posse da diretoria e doa demais acadêmicos. A ACL  é considerada o ‘Silogeu Cabo-friense’ ou a ‘Casa de Teixeira de Sousa’, patrono da entidade.

– Entre 1975 e 2016, a Academia Cabo-friense de Letras contou com mais de 40 membros ao longo do tempo, participando ativamente em prol da cultura, e principalmente das letras, com o objetivo de divulgar a vida e o valor literário das obras do cabo-friense Antonio Gonçalves Teixeira e Sousa, reconhecido pela Academia Brasileira de Letras como o ‘primeiro romancista brasileiro – explica a secretária-geral Rose Fernandes.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.