Assine Já
quarta, 23 de junho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Alerj2
Alerj3
TEMPO REAL Confirmados: 43602 Óbitos: 1679
Confirmados Óbitos
Araruama 10812 339
Armação dos Búzios 5233 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11637 622
Iguaba Grande 4474 107
São Pedro da Aldeia 5916 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
arte

A arte além do centro de Cabo Frio

Projetos nas zonas periféricas levam cultura e esporte às comunidades

14 novembro 2016 - 10h41
A arte além do centro de Cabo Frio

A arte constrói pontes inimagináveis, passa por cima das barreiras do preconceito e mostra até novos caminhos para moradores em Cabo Frio. A Folha buscou os projetos que saem do Centro e atravessam a ponte Feliciano Sodré para entrar nas zonas mais periféricas.
O projeto Tambores Urbanos, que oferece aulas de percussão e esportes para 30 crianças, acontece desde 2008 no bairro Manoel Corrêa. Os tambores começam a rufar às 16h – o término depende do calendário de shows, que podem estender as aulas. O idealizador Jubiabá Brandão, 44, se demonstra satisfeito em expandir o horizonte das crianças da comunidade.
 –Tentamos ajudar a comunidade a melhorar. Não queremos ficar só na conversa. Tentamos, através da música e do esporte, ocupar a mente dos alunos – afirma ele, que tem mais dois professores ajudando no projeto.
O Tá Na Rua Graffiti costuma deixar suas marcas pelas paredes de Cabo Frio. O projeto, hoje liderado pelos artistas Cristiano Cardoso, o ‘Ousado’, Luis Henrique, o ‘Orelha’, e Beatriz Vieira, simplesmente ‘Bia’, atua em diversas escolas dentro e fora do município.
Fora do centro da cidade, o Tá Na Rua já deixou a arte registrada nos bairros Boca do Mato, Itajuru, Jardim Nautilus. Os grafiteiros também estiveram presentes em mutirões organizados por colegas de trabalho na Vila do Ar, no Morubá e na Ponta do Ambrósio.
Muitas vezes taxado de vândalos, os grafiteiros procuram demonstrar justamente o contrário na cidade. O grafiteiro Cristiano Ousado, 33, vê a arte caminhando a passos largos em Cabo Frio.
– Nosso objetivo vem por etapas. A primeira foi apresentar o grafite para nossa cidade. Depois, mostrar que o que fazemos não é vandalismo. Na verdade, temos um intuito mais artístico de conscientização de não violência, sem uma linguagem hostil ou grosseira. Hoje, nosso objetivo avança para o trabalho de passar o conhecimento às gerações futuras, mostrando um novo caminho para um futuro fora da violência cotidiana.
A cultura africana entra no templo candomblecista Ilê Axé Omo Odé Igibo, em Monte Alegre, no próximo dia 20, às 12h. A feijoada, que é em comemoração ao Dia da Consciência Negra, apresentará danças como jongo, coco e samba de roda. As entradas custarão R$ 15.
A casa tem atividades como muay-thai, capoeira, danças, teatro e até mesmo reforço escolar. De acordo com a candomblecista Andrea Tinoco, 47, o templo tem oferecido oportunidades para as crianças, além de abordar o tema da intolerância religiosa.  
– O foco principal é afastar as crianças de contato com as drogas e com a violência. Queremos incentivar a prática do esporte, da cultura, dos estudos e afastar os problemas que estão afligindo muito a juventude. Também queremos desmistificar um pouco a questão da intolerância religiosa. Existe muito preconceito em relação ao candomblé. As pessoas imaginam coisas e não conhecem a nossa religião – desabafa.