Assine Já
sexta, 13 de dezembro de 2019
Região dos Lagos
28ºmax
22ºmin
Apartamento
AP REC BANNER
ismar gomes

Reunião escolar no Instituto Professora Ismar Gomes vira caso de polícia

Integrantes do Sindicato Estadual dos Professores de Educação da Região dos Lagos (Sepe Lagos) dizem ter sido expulsas e ofendidas

17 julho 2014 - 20h13Por Sérgio Meirelles
Reunião escolar no Instituto Professora Ismar Gomes vira caso de polícia

Quatro integrantes do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação da Região dos Lagos (Sepe Lagos) afirmam que foram expulsas anteontem (16) do Instituto Professora Ismar Gomes de Azevedo, no centro de Cabo Frio. A expulsão teria sido pedida pela direção da escola, que acionou a polícia. As sindicalistas alegam ainda que foram ofendidas. Elas pretendem fazer uma queixa-crime no Ministério Público.

Segundo a coordenadora-geral do Sepe Lagos, professora Denise Soares Teixeira, ela e mais três companheiras encontravam-se em reunião com professores da escola para orienta-los sobre o abono dos dias parados durante a última greve da categoria, que terminou no fim do mês passado. Foi nesse momento, diz Denise, que a diretora, identificada apenas por Alexandra, entrou na sala, as ofendeu e pediu o apoio da Polícia Militar para retirá-las do colégio.

LEIA MAIS: Confusão entre sindicalista e diretora do Ismar Gomes terminará na Justiça

–  Ela (a diretora) estava descontrolada. Primeiro nos perguntou quem havia dado autorização para entrarmos na escola e quando eu disse qual era o nosso propósito ela me chamou de vagabunda. Logo em seguida, policiais do 25º BPM (Cabo Frio) chegaram e nos pediram que saíssemos do instituto – contou.

Orientadas por seus advogados, as sindicalistas desistiram de fazer uma queixa formal contra a diretora na 126ª DP (Cabo Frio). Além da coordenadora, as outras três integrantes do Sepe Lagos são: Marli Santos da Verdade, Narcisa Maria da Conceição e Mônica Almeida.

– Além da queixa-crime que faremos no Ministério Público, o Sepe denunciará a diretora à Secretaria Estadual de Educação – adiantou Denise.

A Folha dos Lagos entrou em contato com a Secretaria de Educação, mas até o horário de fechamento desta reportagem não havia recebido uma posição do órgão em relação ao ocorrido.