Assine Já
domingo, 12 de julho de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
15ºmin
TEMPO REAL Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 272 7
Arraial do Cabo 16 84 11
Cabo Frio X 1037 64
Iguaba Grande 12 241 20
São Pedro da Aldeia 10 530 19
Saquarema 32 566 33
Últimas notícias sobre a COVID-19
comércio

Natal aquece o comércio

Presidente da Acia, Eduardo Rosa projeta aumento de até 20%

24 dezembro 2016 - 15h14
Natal aquece o comércio

A proximidade da noite de Natal faz com que as lojas de Cabo Frio comecem a receber clientes em busca do presente ideal para suas famílias e ami­gos. O presidente da Associação Comercial de Cabo Frio (Acia), Eduardo Rosa, projeta um au­mento de até 20% no fatura­mento dos comerciantes na data. Mas ele lembra de fatores que não deixarão o setor lucrar tanto como a falta de pagamento no funcionalismo público e a crise financeira na cidade.

De acordo com Eduardo, o movimento já é perceptível nos principais centros comerciais da cidade.

– O balanço está razoável, bom. Apesar da crise, está ten­do um movimento. Estou perce­bendo que os comerciantes es­tão conseguindo vender alguma coisa. Espero que o faturamento aumente 15% em relação aos outros meses – comenta.

Em relação ao Natal passado, o crescimento é um pouco mais tímido. O presidente da Acia lis­tou as razões para os consumi­dores não aparecerem em peso.

– Pelo menos em relação ao último Natal, espero que ganhe um aumento de 5% a 10% nes­te ano. A falta de pagamento do 13º está afetando muita gente que poderia vir a consumir. In­felizmente, este Natal será mais cauteloso, como foi o do ano passado – explica.

Apesar disso, Eduardo Rosa espera um nível de compras bom para o comércio nos próximos dias.

– Espero uma média de com­pras dentro de um patamar de R$ 150 a R$ 200. As pessoas não deixam a data passar em branco, mas não gastam como poderiam gastar. As lojas terão um bom movimento, mas o po­der de compra diminuiu – afir­ma ele.