Assine Já
segunda, 30 de novembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 12084 Óbitos: 539
Confirmados Óbitos
Araruama 2426 118
Armação dos Búzios 1132 16
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1129 40
São Pedro da Aldeia 1874 76
Saquarema 1471 92
Últimas notícias sobre a COVID-19
Temer

Nas ruas, cabofrienses manifestam esperança na Economia com Temer

Entrevistados da Folha acreditam que presidente interino vai superar crise financeira do país

13 maio 2016 - 11h29
Nas ruas, cabofrienses manifestam esperança na Economia com Temer

Em discurso como presidente, Temer destaca qualidades do brasileiro (Agência Brasil)

Após o comunicado do afastamento de Dilma Rousseff do Palácio do Planalto, alguns moradores de Cabo Frio olham para o impeachment como um belo horizonte para o Brasil. Em enquete nas ruas, a Folha encontrou pessoas que não relutaram em demonstrar otimismo o afastamento de Dilma Rousseff, substituída interinamente por Michel Temer. Elas esperam que uma nova gestão da economia alivie a onda de desemprego.

O Senado aprovou o impeachment da presidenta com 55 votos a favor e 22 contra. Dilma é afastada no segundo mandato, um ano e quatro meses após a eleição. A sessão durou quase um dia. Temer assumiu o cargo interinamente na tarde de ontem.

– Se o impeachment aconteceu, é porque a presidente fez algo de errado. Não é uma questão de ser bom ou ruim. Está na Constituição. Faz parte da regra. Independente disso, vai melhorar. O antigo governo não fazia nada para sair dessa crise. Acredito que vá melhorar, caso contrário, o novo governo também deve ser deposto – disse o aposentado Válter Silva.

Quem sente na pele as consequências da crise econômica é o vendedor Wellington da Silva, 28. Ele afirma que ninguém tem mais dinheiro para consumir.

– É preciso urgentemente melhorar essa crise. As vendas estão muito ruins. Ninguém compra absolutamente nada. Não preciso nem comentar o desemprego, que gera a fome. Além disso, estão roubando demais – contesta.

O também vendedor Rafael Pinheiro, 31, não esconde o otimismo. Afinal de contas, segundo ele, “não tem como piorar”.

– A situação está muito ruim. Não tem como piorar. Com esse novo governo, temos a chance de melhorar a economia. Estamos num momento em que é preciso entrar capital no país. Os vendedores estão sofrendo pela falta de dinheiro das pessoas.

O aposentado João Freitas, de 74 anos, acredita em uma possível melhoria com a troca de governos, mas teme pelos ânimos exaltados pelo impeachment.

– Vai melhorar. Mas os petistas não vão deixar isso barato. Estou prevendo uma onda de greves e manifestações pelo país por causa da saída da presidente. Normalmente, os partidários do Lula e da Dilma são muito ferrenhos e não vão deixar o novo governo em paz. Temo que, por conta disso, tenha até uma intervenção militar.

Já a gari Elizabeth dos Santos, 40, se mostra contente com o afastamento.

– Não posso afirmar que vai melhorar algo. Mas a Dilma fez muita coisa errada. Espero que o país tome um rumo diferente – finalizou, esperançosa.

Temer pede confiança e conta com ajuda do povo

Em suas primeiras palavras como presidente interino da República, Michel Temer, disse que o povo brasileiro há de “prestar sua colaboração para tirar o país” da crise em que se encontra, mencionou entusiasmo dos políticos que o prestigiam e voltou a falar que é “urgente pacificar a Nação” e “unificar o Brasil”.

Após dar posse aos novos ministros de seu governo, que comporão uma equipe menor, Temer citou algumas vezes a necessidade de recuperação da economia. Segundo ele, é “urgente” fazer um governo de “salvação nacional”.

“O povo brasileiro há de prestar sua colaboração para tirar o país dessa grave crise em que nos encontramos. O diálogo é o primeiro passo para enfrentarmos desafios para avançar e garantir retomada do crescimento”, afirmou Temer, mencionando também a necessidade de partidos políticos e lideranças da sociedade civil participarem.

“Minha primeira palavra ao povo brasileiro é a palavra confiança. Confiança nos valores que formam o caráter de nossa gente, na vitalidade de nossa democracia, na recuperação da economia nacional nos potenciais do país, em suas instituições sociais e políticas e na capacidade de que unidos poderemos enfrentar os desafios deste momento que é de grande dificuldade”, afirmou o presidente interino.