Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
jazz

Integrante do Apanhei-te Cavaquinho toca no maior festival de Jazz do mundo

Adalberto Miranda se especializou no contrabaixo elétrico 

04 julho 2014 - 15h34
Integrante do Apanhei-te Cavaquinho toca no maior festival de Jazz do mundo

No início, ele só observava o irmão tocando violão.  E assim, olhando dali, escutando daqui, Adalberto Miranda despertou, aos 15 anos, para uma das maiores paixões da vida.  A música revolucionou a vida do menino. Escolheu – ou foi escolhido – pelo contrabaixo, tocou em banda de rock, navegou rumo às melodias do chorinho no Apanhei-te Cavaquinho, projeto do maestro Ângelo Budega, e acabou se especializando no jazz. Tanto que o ex-morador de Cabo Frio, onde foi criado, acaba de se apresentar num dos maiores festivais do gênero do mundo - o 'Jazz a Vienne', na França, onde tocou com o grupo Samba Sax. 

– Prestava atenção quando meu irmão tocava violão na sala e resolvi aprender algumas notas. O aprendizado foi natural e não me dei conta de que estava sendo convidado para tocar em tantos lugares. Sei que me esforcei bastante para seguir nessa nova carreira e desde o início me interessei pelo jazz e suas vertentes. Hoje, apesar de começar tocando violão, o meu instrumento oficial é o contrabaixo elétrico. 

E a caminhada reserva aos músicos muitas surpresas. Uma das maiores delas foi o encontro com o lendário produtor norte-americano Quincy Jones, nome por trás do álbum Thriller, de Michael Jackson. Adalberto conta que Quincy não poupou elogios à cantora Elis Regina.

– Ele estava ensaiando para um show e consegui o acesso para falar com ele por conta de um amigo que faz parte da banda dele. Ele é muito simpático e veio falar comigo sem nenhum motivo. Perguntou se eu era do Brasil e começou a falar sobre a Copa do Mundo e os lugares favoritos. Como não poderia deixar de ser, falamos sobre a música brasileira e vi como ele é fascinado pelos nossos músicos. O assunto principal da conversa foi a Elis, que ele classificou como 'incrível'. Estava pronto para falar bastante do Michael Jackson, mas ele preferiu manter a conversa no Brasil mesmo. Conversar comum cara como o Quincy é uma realização.

Apesar de o ritmo norte-americano ser a especialidade do músico, Adalberto não renega as raízes brasileiras.

– Vejo a nossa música como completa nos três quesitos: melodia, harmonia e ritmo. E o mais interessante é que dentro de cada região posso encontrar um Brasil diferente. As harmonias espetaculares de compositores mineiros como Toninho Horta e Milton Nascimento, as batucadas dos cariocas e os tambores do Olodum... Isso forma um cenário musical fantástico dentro de apenas um país.  

Em Cabo Frio, o jovem baixista deu os primeiros passos como profissional através do projeto Apanhei-te Cavaquinho. Segundo ele, Budega e o irmão, Alvinho Santos, foram os melhores professores em sua formação musical. 

– O Budega é um grande músico e sinto muito orgulho de poder ter recebido as aulas dele. Quando comecei a me interessar realmente por música, ele me deu todo o apoio e agradeço bastante por tudo que aprendi.

O professor retribui o carinho:

– Adalberto é um músico incrível. Fora de série. Ele trouxe o talento de berço. Apenas levei a ele mais conhecimento musical. Para mim, ver uma foto de um aluno ao lado do Quincy Jones, um dos maiores músicos do mundo, é uma coisa extraordinária - vibra Budega.