Assine Já
sábado, 28 de novembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 12084 Óbitos: 539
Confirmados Óbitos
Araruama 2426 118
Armação dos Búzios 1132 16
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1129 40
São Pedro da Aldeia 1874 76
Saquarema 1471 92
Últimas notícias sobre a COVID-19
Pezão

Governo do Estado mantém incentivos fiscais para a Moda Praia até 2032

Pezão sanciona lei que deixa alíquota do ICMS em 3,5% para todo o setor têxtil

04 agosto 2017 - 11h06Por Rodrigo Branco I Foto: Arquivo Folha
Governo do Estado mantém incentivos fiscais para a Moda Praia até 2032

Foi publicada no Diário Oficial do Estado ontem uma lei sancionada pelo governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), que mantém incentivos fiscais para o setor têxtil fluminense pelos próximos 15 anos. A medida, aprovada por unanimidade no plenário da Alerj na terça-feira, afeta diretamente o segmento de moda praia de Cabo Frio. Desta forma, a alíquota do ICMS que incide sobre a atividade permanecerá em 3,5% até 2032. A lei foi sancionada antes do Rio entrar no regime de recuperação fiscal a ser fechado em breve com a União, durante o qual não poderá haver prorrogação de benefícios fiscais.

O atual acordo ficaria em vigor até 2018. Atualmente, o setor sofre com a concorrência de vários estados, como Minas Gerais, Rio Grande do Sul, os do Nordeste e, sobretudo, São Paulo, que praticamente ‘zerou’ a alíquota. De acordo com o deputado Janio Mendes (PDT), que apresentou uma das medidas ao projeto de lei, o Governo Federal está prestes a sancionar uma lei que unifica o valor das alíquotas.

– A diferença passará a ser na qualidade do produto e isso nós temos de sobra. O mercado tende a ser normatizado. Isso vai gerar empregos e melhorar a competitividade interna. Cabo Frio vai poder trabalhar melhor a marca de ‘capital da moda praia’. As políticas municipais devem convergir para isso – pondera Janio.

Parlamentar com base eleitoral em Nova Friburgo, conhecida pelo mercado de moda íntima, o deputado Wanderson Nogueira (PSOL) falou sobre a importância da medida.

– Para se manter competitivo é preciso separar o joio do trigo. A questão dos incentivos virou polêmica, mas tem os bons e os maus incentivos. Para o setor têxtil é um bom incentivo. Eles precisam ser mantidos e ampliados. Isso garante segurança jurídica e planejamento a curto, médio e longo prazos para que se possa fortalecer a competitividade em relação a outros estados – disse Wanderson.

Além de Janio e Wanderson, formaram o bloco suprapartidário de deputados que conseguiram aprovar a emenda Luiz Martins (PDT), Osório e Luiz Paulo (PSDB), Comte Bittencourt (PPS), Waldeck Carneiro (PT) e André Correa (DEM).

Mercado aprova medida – A notícia da extensão dos benefícios fiscais para o setor têxtil foi bem recebida pelo setor produtivo do município.

– É uma ótima notícia. Isso vai diminuir muito o custo tributário. O governo está tomando esta atitude porque São Paulo tem esse benefício e estávamos perdendo negócios. Essa isonomia vai nos permitir competir de forma mais igualitária, trazendo mais crescimento para Cabo Frio e para o Estado do Rio – comentou o presidente da Associação Comercial e Industrial de Cabo Frio (Acia), Eduardo Rosa de Andrade.

Dona de uma confecção e de quatro lojas na região, a empresária Ielra Viter emprega atualmente 40 funcionários. Ela aprovou a prorrogação do alívio fiscal.
– O preço do tecido para o Rio é um; para os estados do Nordeste já é outro. A gente precisa de todos os incentivos possíveis para que possamos ter preços competitivos para lojistas e para o consumidor final. Eu mantenho o mesmo preço há cinco anos, mas está muito difícil – comenta Ielra.