Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
previdência

Gastos com Previdência vão crescer, diz Meirelles

Ministro da Fazenda prevê aumento mesmo com reforma

30 março 2017 - 13h14
Gastos com Previdência vão crescer, diz Meirelles

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou hoje (30) na Câmara dos Deputados que, mesmo com a reforma da Previdência, as despesas com aposentadorias e benefícios dos sistemas previdenciários para servidores públicos e trabalhadores do setor privado chegarão a 66,7% do Orçamento em 2026. Com isso, o espaço restante para outros gastos será de 33,3%. Sem a reforma, segundo Meirelles, o espaço para as demais despesas ficará reduzido a 21%.

“A despesa da Previdência vai, cada vez mais, ocupando o Orçamento da União de uma forma avassaladora. Com a reforma, haverá espaço para as despesas como gastos sociais, [por exemplo o] Bolsa Família”, disse, em audiência pública na comissão especial que analisa a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/2016, sobre a reforma da Previdência.

As estimativas do ministro levam em conta o teto de gastos públicos, mecanismo que limita as despesas à inflação do ano anterior por um período de 20 anos. De acordo com Meirelles, o teto de gastos, aprovado no ano passado, “está sendo fundamental para a recuperação da economia”.

Ele afirmou ainda que o gasto público com a Previdência no Brasil equivale a 13% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e riquezas produzidos em um país), valor superior à média de países emergentes e similar ao de países como França e Alemanha, com população de mais idade.

O ministro reconheceu que questões como a mortalidade infantil em algumas regiões do país e a morte de jovens por violência impactam na expectativa de vida do brasileiro. Contudo, segundo Meirelles, “a vida média esperada das pessoas que já atingiram 65 anos é bem mais elevada. A chamada sobrevida após a aposentadoria está crescendo cada vez mais”.

Meirelles disse que a recessão enfrentada pelo país nos últimos anos supera a depressão de 1929 e é resultado do desequilíbrio fiscal. “A recessão que o Brasil teve até agora, no fim de 2014, 2015 e 2016, foi resultado da evolução das contas públicas brasileiras”, afirmou.

O ministro da Fazenda participa da última audiência pública de uma série realizada pela comissão especial da Câmara para análise da PEC. A próxima etapa de tramitação da reforma da Previdência será a apresentação do relatório do deputado Arthur Maia (PPS-BA) sobre o texto enviado pelo governo à comissão.