Assine Já
quarta, 23 de junho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 43614 Óbitos: 1679
Confirmados Óbitos
Araruama 10812 339
Armação dos Búzios 5233 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11637 622
Iguaba Grande 4486 107
São Pedro da Aldeia 5916 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
fim

Fim de ano aumenta 2,6% intenção de consumo

Pesquisa aponta que famílias são influenciadas a comprar por festas de fim de ano

15 dezembro 2016 - 13h53
Fim de ano aumenta 2,6% intenção de consumo

O fim de ano aumentou em 2,6% a Intenção de Consumo das Famílias (ICF) em dezembro, na comparação com novembro, informou hoje (15) a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo. Uma pesquisa aponta que características específicas do período, chamadas de sazonalidade, determinaram o aumento na confiança.

A CNC alerta que, apesar da alta, o custo do crédito continua elevado, e o aumento do desemprego e a queda da renda mantêm o poder de compra em um movimento de perda.

Na comparação com dezembro do ano passado, a confiança das famílias apresenta queda de 0,3%. Em números absolutos, o indicador está em 76,2, em uma escala em que patamares inferiores a 100 apontam insatisfação.

Consumo das famílias cai 5,3%

A parte do indicador que mede o consumo atual das famílias teve uma redução de 5,3% na comparação com 2015 e apresentou crescimento de 5,7% em relação a novembro de 2016. As festas de fim de ano foram apontadas pela CNC como influenciadoras desse resultado positivo sobre o mês anterior.

A percepção, no entanto, está em 51,7 pontos em uma escala em que a satisfação se encontra acima de 100. Ao mesmo tempo, 61,1% das famílias declararam que seu nível de consumo em dezembro deste ano está menor do que em dezembro de 2015.

Por outro lado, a expectativa dos entrevistados pela pesquisa teve melhora no indicador de dezembro. A perspectiva de consumo aumentou 3,7% frente a novembro e 10% em relação a dezembro de 2015.

Emprego e perspectivas

O subíndice que avalia a satisfação com o emprego atual se manteve acima dos 100 pontos em dezembro, com avanços de 1% sobre novembro e de 2,9% ante dezembro de 2016. Chegou a 31,6% o percentual de entrevistados que se declararam mais seguros no emprego atual.

Em relação ao futuro, a percepção das famílias também ficou acima dos 100 pontos no que diz respeito a emprego, com uma alta de 1,6% na comparação com dezembro de 2016. Apesar disso, 44,8% das famílias preveem um cenário negativo para os próximos meses no que diz respeito à perspectiva profissional.