Assine Já
domingo, 19 de janeiro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
20ºmin
sao pedro

Equipe da prefeitura de São Pedro visita obras do Minha Casa Minha Vida na Rua do Fogo

Condomínio do programa federal beneficiará, num primeiro momento, 272 famílias

26 junho 2014 - 13h53
Equipe da prefeitura de São Pedro visita obras do Minha Casa Minha Vida na Rua do Fogo

Mais de 20 profissionais da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos visitaram as obras do empreendimento Minha Casa Minha Vida no bairro Rua do Fogo, em São Pedro da Aldeia. O condomínio construído através do programa federal beneficiará, num primeiro momento, 272 famílias. A visita foi organizada pela Secretaria Municipal de Projetos com o objetivo de apresentar o empreendimento aos profissionais que trabalharão diretamente com as famílias beneficiadas pelo plano de habitação. Entre os presentes, estavam a primeira dama e secretária de Assistência Social e Direitos Humanos, Ester Chumbinho, a subsecretária da pasta Olívia Sá, além da secretária de Projetos, Cláudia Magalhães, e da assessora de Habitação Claudia Brasil, representando o Secretário de Urbanismo e Habitação, Júlio Berlandi. A visitação também contou com a presença de profissionais da Secretaria de Projetos.

A construção do Residencial Quinta São José, numa área de 33milm², acontecerá em duas fases. Na primeira etapa, serão construídos 17 blocos compostos por quatro pavimentos. Ao todo, serão 16 apartamentos por bloco, todos projetados visando a acessibilidade. Já a segunda etapa consiste na construção de outros 13 blocos, que seguirão o mesmo padrão, totalizando 480 unidades. Vale destacar o trabalho integrado que é feito pela prefeitura de São Pedro da Aldeia no bairro. Visando a amparar as famílias em todos os aspectos, o Governo Municipal está investindo em políticas integradas de Saúde, Assistência e Educação. Além do condomínio, o bairro Rua do Fogo vai receber um CRAS, uma Unidade Básica de Saúde e uma creche.

Secretária de Projetos, Cláudia Magalhães discorre sobre o encontro e o programa federal. “Promovemos junto com a Assistência Social esse encontro com toda a coordenação dos CRAS para fazer uma sensibilização desses coordenadores sobre o empreendimento Minha Casa Minha Vida. É importante que eles conheçam mais a fundo a proposta do programa para perceberem a importância do trabalho da Assistência nesse contexto, já que são eles os responsáveis pelo cadastramento e pela primeira seleção do público beneficiário junto ao CadÚnico. No programa Minha Casa Minha Vida não há repasse federal para a Prefeitura, embora o primeiro passo para a adesão do programa seja nosso. A prefeitura da cidade assina um termo de adesão manifestando o interesse de ter esse programa no município. A partir daí, a empresa interessada apresenta à entidade financeira o projeto e terreno para análise e aprovação”, explicou.

A prefeitura de São Pedro da Aldeia, por meio da Secretaria de Projetos e da Assistência Social, gerencia todo o trabalho técnico-social envolvido no programa Minha Casa Minha Vida, identificando a demanda e trabalhando junto aos beneficiários. Para uma família ser beneficiada, é necessário que ela atenda aos critérios nacionais e municipais de elegibilidade. Entre os critérios municipais, aprovados no Conselho Municipal de Assistência, estão comprovar que mora no município há pelo menos cinco anos, estar dentro da faixa salarial de 0 a 3 salários mínimos, equivalente a renda máxima de R$1.600, entre outros. O cadastramento da família é feito pela Assistência Social.

"Essa visita é muito importante, pois deixa a equipe da Secretaria de Assistência Social ciente de sua participação junto as famílias beneficiadas pelo Programa Minha Casa Minha Vida. Sabemos que iremos trabalhar com as famílias antes e depois do benefício da moradia. O nosso trabalho é contínuo", falou a secretária de Assistência Social e Direitos Humanos, Ester Chumbinho.

O Programa Minha Casa Minha Vida oferece subsídios para a aquisição da casa própria para famílias com renda até R$1.600. A construção das unidades habitações é responsabilidade da inciativa privada, embora a seleção das famílias beneficiárias seja feita pela Prefeitura da cidade, que faz o cadastramento, monta um dossiê com o perfil socioeconômico da família e o encaminha para o agente financiador, o Banco do Brasil, que faz a análise do candidato. De acordo com esse perfil, o banco define o valor de pagamento do imóvel, uma taxa que será paga por 10 anos. A parcela paga pelo beneficiário é de 5% da renda mensal, com prestação mínima de R$ 25.

Engenheiro e gerente do contrato, Péricles Padim discorre sobre o empreendimento. “Atualmente, temos 25% da obra concluída e estamos com a estrutura toda pronta, caracterizando a fase de edificação. Temos um prazo de entrega previsto para agosto do ano que vem e o projeto se dá em duas etapas. Nessa primeira etapa serão construídos 17 blocos e na segunda mais 13 blocos, totalizando 480 unidades. O projeto foi feito pensando na acessibilidade, por isso, em todos os ambientes, o cadeirante conseguirá fazer um giro de 180º. Nós preparamos esse empreendimento com todos os parâmetros previstos no programa Minha Casa Minha Vida e oferecemos essa parceria ao município. Contar com esse apoio é excelente”, disse.

Cada apartamento oferece dois dormitórios, sala, cozinha, banheiro, uma pequena área de serviço e uma vaga na garagem. Além disso, o condomínio irá dispor de um centro comunitário, com salão para festas e reuniões, área de convivência, quadra e playground para as crianças.

A adesão do programa Minha Casa Minha Vida é uma ação integrada, que consiste no financiamento do Governo Federal, o repasse da verba pelo Banco do Brasil, a execução da obra pela empresa contratante e o trabalho técnico-social realizado pela Prefeitura da cidade.