Assine Já
domingo, 18 de abril de 2021
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 33583 Óbitos: 1249
Confirmados Óbitos
Araruama 8610 270
Armação dos Búzios 4104 54
Arraial do Cabo 1165 61
Cabo Frio 8993 441
Iguaba Grande 3308 82
São Pedro da Aldeia 4591 188
Saquarema 2812 153
Últimas notícias sobre a COVID-19
aumento

Aumento do ISS é decisivo para Búzios

Especialista afirma que município se destacou na arrecadação própria

16 agosto 2017 - 11h21
Aumento do ISS é decisivo para Búzios

O bom resultado de Búzios na última edição do Índice da Federação das Indústrias do Estado do Rio (Firjan) de Gestão Fiscal (IFGF), quando obteve nota 0,7163 e ficou em terceiro lugar em todo o Estado, chamou a atenção, mas não aconteceu do dia para a noite. 
Segundo o coordenador de Estudos Econômicos da entidade, Jonathas Goulart, o município fez o dever de casa no ano passado, sobretudo, no quesito ‘arrecadação própria’, um dos cinco que são avaliados no estudo.
– No caso específico de Búzios, aumentou a arrecadação própria de ISS (Imposto Sobre Serviços). Isso gera maior liquidez o que leva a um aumento nos investimentos. Chamava a atenção o baixo ISS por parte de uma cidade turística, que tira grande parte dos seus recursos desse imposto – afirma Goulart.
O especialista destaca também que os dados para a realização do levantamento são de responsabilidade dos próprios municípios, que os enviam para a Secretaria do Tesouro Nacional (STN), de onde são retirados e tratados pela Firjan.
Por conta disso, várias cidades da região deixaram de enviar suas informações, casos de Cabo Frio, Arraial do Cabo, Araruama, Iguaba Grande e Saquarema. Jonathas Goulart responsabiliza, em parte, a sociedade pela falta de transparência.
– A Lei de Responsabilidade Fiscal obriga a prestar contas. Não é só na Região dos Lagos, mas em todo país. Isso é ruim para a sociedade, que também não cobra transparência. A lei prevê sanções como redução dos repasses voluntários, mas vemos que os municípios que recebem royalties são pouco impactados – avalia.
A nota do IFGF varia de zero a um. São feitas avaliações em cinco quesitos e cada um deles vale 0,2 ponto: receita própria; gastos com pessoal; capacidade de investimentos; liquidez  e custo da dívida.