Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
feijão

Alta no preço do feijão estimula pesquisa do consumidor cabofriense

Aumento médio de 30% acontece em função das chuvas no Paraná, maior produtor

16 junho 2016 - 09h43Por Gabriel Tinoco
Alta no preço do feijão estimula pesquisa do consumidor cabofriense

“Diz que tá dura, pendura/
A fatura no nosso irmão/
E vamos botar água no feijão”.

Os versos de ‘Feijoada Completa’, de Chico Buarque, são bem conhecidos, mas a fartura é cada vez mais distante da realidade. O saco de feijão disparou nos últimos dias por causa de problemas climáticos que afetaram a safra. A subida chegou a 28% até maio de acordo com pesquisa de auditoria de varejo da GfK. Já um estudo do IBGE indicou elevação de 33,49% no ano até maio e 41,62% em 12 meses.

Parceiro inseparável nos pratos brasileiros, o arroz subiu cerca de 5%. Um saco de feijão chega a custar o preço de cinco quilos de arroz.
O economista Daniel Soares sugere a importação do commoditie para reduzir o preço. No entanto, o resultado não seria imediato.

– Foram problemas climáticos que quebraram a safra de feijão no Paraná, principal produtor no país. Nesse caso, é demanda e oferta. Se a oferta do produto diminui, o preço sobe, porque a demanda é a mesma e as pessoas continuam comendo feijão como sempre. Uma solução seria a importação para reequilibrar a oferta. Só que o dólar está alto e o feijão não é uma commoditie tão comum. O peso dele na nossa alimentação é muito acima da média do mundo. O principal produtor de feijão, além do Brasil, é a China. Seriam semanas, talvez meses, para efetuar a compra e o produto ser transportado – explica.

Mesmo diante dos altos preços, os entrevistados pela Folha garantem não parar de comprar feijão. Os consumidores reclamaram da carestia, mas irão atrás de ofertas.

– O preço está absurdo. Ninguém tem que comprar. A safra que perderam é a passada. Não é essa. Então não há razão para aumentar os preços. A minha sugestão é o boicote. Substituo o feijão pelo mais barato: lentilha, grão de bico – comenta a autônoma Maria Inês Valentim, 55.

A aposentada Teresa Maia, 73, tem que perguntar aos outros consumidores qual mercado tem os preços mais acessíveis.

– Está caro demais. Caço nos mercados até achar o saco de feijão mais barato. Todo mundo anda assim. As pessoas que compram falam para mim em qual lugar o preço está melhor. E assim vamos avisando um ao outro. Os mercados costumam ter muita diferença nos valores. Como compramos feijão todo dia, a diferença pesa bastante – revela.

A aposentada Isabel Melo, 71, vai além e diz que jantar fora de casa acaba sendo uma boa economia.

– Nem tenho comprado mais. Como feijão duas vezes na semana. Normalmente almoço em lugares que um prato sai a R$ 6.

(*) Leia a matéria na íntegra na edição impressa da Folha desta quinta.