Assine Já
sexta, 18 de setembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7654 Óbitos: 398
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2467 130
Iguaba Grande 627 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 61
Últimas notícias sobre a COVID-19
micropigmentadora

Micropigmentadora de Cabo Frio é acusada por alunos de ser falsa profisisonal

'Professora' ministrava aulas também no Recreio, no Rio de Janeiro

27 setembro 2017 - 11h24
Micropigmentadora de Cabo Frio é acusada por alunos de ser falsa profisisonal

Uma professora de cursos de micropigmentação de sobrancelha foi acusada de aplicar golpe em seus alunos em Cabo Frio e no Rio de Janeiro. Em denúncia compartilhada nas redes sociais, com mais de 11 mil compartilhamentos, Julia Cecilia Ovretveit foi acusada de não saber executar o que supostamente deveria ensinar. Em uma aula no Recreio, no Rio de Janeiro, ela foi confrontada pela micropigmentadora Renata Pasche, 37 anos. Dona de um salão de beleza, Renata estranhou o modo em que o curso era ministrado.
– Percebi porque sou profissional já há dois anos. Estou sempre procurando cursos no ramo e faço praticamente todo mês. Durante o procedimento, já vi que não era algo profissional – afirma ela, que tem o hábito de fazer cursos mensalmente.
Após pedir para que a professora confirmasse se uma das atividades estava correta, Renata foi chamada por Julia para conversar.
– Ela falou: “posso falar com você”? E, em seguida, disse: “não sei se você sabe, mas sofri um acidente e não consigo fazer os fios”. Então perguntei por que que ela estava oferendo um curso que não pode. A Julia me ofereceu devolver o pagamento e pediu para não contar para ninguém. Eu disse que ela teria que falar para as alunas quem era e que só sairia dali quando devolvesse o dinheiro para todo mundo – conta.
Ainda de acordo com Renata, a professora tremia bastante para fazer as atividades. Além disso, realizou um procedimento sem touca, máscara e jaleco. 
– Ela não tinha os materiais adequados. Nós começamos a fazer o design e quem fez foram as alunas. Eu pedi para que confirmasse se estava certo. E ela não sabia conferir. Não sabia pegar no paquímetro (instrumento de medida das sobrancelhas) – completa.
A Folha tentou entrar em contato com Julia, que não atendeu as ligações encaminhadas da redação.Em um dos vídeos compartilhados na internet, ela tentou se defender na frente das alunas:
– Nunca tive problema nenhum. Hoje foi a primeira vez.