Assine Já
quinta, 23 de janeiro de 2020
Região dos Lagos
23ºmax
20ºmin
Apartamento
Cabo Frio

Sepe cobra convocação de aprovados de 2009, mas diz que não é contra realização de novo concurso

Categoria decidiu encerrar greve em assembleia realizada nesta quinta-feira (12)

13 setembro 2019 - 19h31
Sepe cobra convocação de aprovados de 2009, mas diz que não é contra realização de novo concurso

A matéria publicada na edição de ontem da Folha de que a Prefeitura de Cabo Frio prepara a realização de um concurso público na cidade depois de dez anos, despertou cobranças nas redes sociais, principalmente de profissionais da Educação.

Ontem, a coordenadora geral do Sepe Lagos, Cíntia Machado, disse que o governo municipal ainda tem que convocar 456 aprovados no concurso de 2009. No entanto, ela afirma que o governo alega que já cumpriu o acordo de convocação de 1.096 aprovados, firmado em 2017, junto ao Ministério Público.

– Muitos atuam na rede como contratados e sabem que existem vagas, tanto que estão convocando professores para contratação. Existe uma carência de docentes e não há justificativa plausível para que essa convocação pare justamente agora – disse Cíntia, ao afirmar que desde a gestão da ex-secretária Laura Barreto, ainda no governo Marquinho Mendes, todos os sucessores até o atual governo cumpriram o acordo.

Até o momento, foram nomeados 640 aprovados em três diferentes convocações. Segundo Cíntia, os desistentes das convocações anteriores tiveram as vagas incluídas nas chamadas seguintes. 

Entretanto, ela frisa, a cobrança não siginifica que a categoria esteja contra a realização do concurso, desde que nele não estejam previstos cargos de pessoas que estão na lista de espera dos 456 que ainda aguardam a convocação. 

– Em todas as negociações o Sepe tem cobrado a realização de um novo concurso. Tem cargos que não tem concurso há 20 anos para efetivar esses profissionais, como merendeiras, porteiros e outros – comentou.

Enquanto isso, em assembleia realizada nesta quinta-feira (12), a categoria decidiu encerrar a greve por causa do fracionamento salarial, mas o estado de greve continua.