Assine Já
domingo, 24 de outubro de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
'KIT ILUSÃO'

'Tratamento precoce' contra Covid na região preocupa especialistas

São Pedro anunciou fornecimento de remédios sem eficácia comprovada contra doença; Arraial e Búzios deixam decisão nas mãos dos médicos

10 abril 2021 - 10h59Por Rodrigo Branco

Completado um ano do primeiro caso de Covid-19 na Região dos Lagos, já foram registrados cerca de 32 mil casos e mais de 1.100 óbitos, segundo os dados oficiais das secretarias municipais de Saúde. Enquanto não ocorre a vacinação em massa para imunizar a população, alguns municípios da Região dos Lagos encampam o discurso do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para apostar num pretenso tratamento precoce contra a doença, fato rechaçado por autoridades científicas, entidades médicas e até mesmo fabricantes de medicamentos (leia aqui, aqui e aqui) prescritos para um suposto combate ao novo coronavírus, na contramão de fake news que incluem a propagação de falsas pesquisas e sites com análises enviesadas.

A despeito da falta de comprovação científica, a Prefeitura de São Pedro da Aldeia tem feito divulgação institucional da distribuição de medicamentos “para combate precoce da doença após avaliação e receita médica”. Em comunicado feito há alguns dias, a Secretaria de Saúde anunciou a distribuição de cinco mil kits de medicamentos, composto por substâncias como azitromicina, prednisona, ivermectina e dipirona.

Em Búzios, se não há campanha institucional, os médicos da rede municipal têm liberdade de prescrever os medicamentos que quiseram, segundo a Folha apurou. A reportagem não teve resposta oficial da Prefeitura, mas, a um portal de notícias, a assessoria de imprensa informou que o município “não realiza tratamento precoce, e sim diagnóstico precoce”.

Há algumas semanas, chegou-se a divulgar que o balneário teria ‘zerado’ as internações por Covid. Embora o município não tenha feito qualquer alusão à ‘tratamento precoce’ ou ‘Kit Covid’ na sua propaganda, redes disseminadoras de notícias falsas associaram o alívio a uma suposta política de orientação oficial para o uso dos medicamentos. A ‘fake news’ chegou a ser publicada nas redes sociais do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), mas foi logo desmentida.

Em Cabo Frio e Arraial do Cabo, não há determinação central para o uso de ‘Kit Covid’, mas nas últimas semanas, indicações feitas ao Executivo neste sentido foram apresentadas nas duas Câmaras. Procurada, a Secretaria de Saúde de Cabo Frio informou que não tem protocolo institucionalizado para o uso das substâncias. Já a pasta, em Arraial, disse que não há uma recomendação da secretaria para a adoção desse tipo de tratamento, mas o médico tem liberdade para indicar, se for esse seu entendimento e que o tratamento indicado para cada paciente “faz parte da conduta médica, ou seja, cabe ao profissional indicar o tratamento mais adequado de acordo com o diagnóstico em cada caso”.

O que há de concreto é a reação contrária de especialistas ao uso das substâncias. Entidades nacionais e até mesmo a Organização Mundial de Saúde já desencorajaram um suposto ‘tratamento precoce’. Em uma nota conjunta assinada em janeiro, a Associação Médica Brasileira (AMB) e a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) falaram em “desinformação dos negacionistas”. Além disso, frequentemente, as duas entidades alertam sobre os riscos para a saúde dos pacientes do uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a Covid.

“As melhores evidências científicas demonstram que nenhuma medicação tem eficácia na prevenção ou no 'tratamento precoce' para a Covid-19 até o presente momento. Pesquisas clínicas com medicações antigas indicadas para outras doenças e novos medicamentos estão em pesquisa. Atualmente, as principais sociedades médicas e organismos internacionais de saúde pública não recomendam o tratamento preventivo ou precoce com medicamentos, incluindo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), entidade reguladora vinculada ao Ministério da Saúde do Brasil”, diz o texto.

No último dia 31, a OMS também declarou que não é recomendado o uso da ivermectina, remédio usado no combate a parasitas como vermes e piolhos, no tratamento de pacientes infectados. Além disso, a própria farmacêutica Merck, que desenvolveu o medicamento, se pronunciou para informar que não há comprovação científica da eficácia da ivermectina no tratamento contra a Covid.

Para o infectologista Charbell Miguel Haddad Kury, que é doutor e mestre em microbiologia e professor da Faculdade de Medicina de Campos dos Goytacazes, o debate em torno do tratamento aos pacientes infectados pelo novo coronavírus é “mais ideológico do que técnico”.

O especialista pondera que, ao longo de mais de um ano de pandemia, os cientistas modificaram a compreensão sobre vários aspectos da doença, mas que ainda não há qualquer evidência de que seja eficiente o uso de medicamentos como a ivermectina, a cloroquina e a azitromicina no tratamento. Pelo contrário, o médico enumera os riscos na utilização das substâncias.

Na opinião do infectologista, a crença no suposto ‘tratamento precoce’ pode retardar a busca por atendimento médico em uma unidade de Saúde e aumentar o risco de complicações e de mortes. Para finalizar, Kury crê que os municípios devem empregar o dinheiro na compra desses medicamentos para insumos que estão em falta, como sedativos para intubação de pacientes, por exemplo.

– O primeiro pilar que a gente se debruça do tratamento precoce é o uso [dos remédios] sem indicação médica, e fora de indicação clínica, o que é superperigoso. Certas medicações como o remédio de verme, a ivermectina, por exemplo, podem passar à região encefálica e prejudicar os pacientes nos processos de intubação e extubação. Ele acorda com alteração neurológicas, muitas vezes pelo uso excessivo de algumas medicações. Além disso, temos lesões no fígado e no rim pelo excesso de medicações. Também podemos lembrar que o uso precoce de antibióticos pode alterar a flora intestinal como, por exemplo, a azitromicina. E a cloroquina pode alterar o coração, produzindo arritmia cardíaca. Ou seja, não existe tratamento precoce. O que nós colocamos é a necessidade do famoso ‘tratamento no momento adequado’. As medicações que usamos são usadas no momento adequado e isso tem de ser feito mediante o acompanhamento médico adequado – explica Kury, que conclui.

– Se tratamento precoce funcionasse, os Estados Unidos, que são referência em estrutura de Saúde, não investiriam em vacinas para 300 milhões de pessoas. Só há dois instrumentos para combater a Covid: distanciamento social e vacina – emenda.

O médico Marcelo Paiva Paes de Oliveira engrossa o coro com o colega. Com a experiência de ter atuado na implantação de políticas de Saúde pública nos níveis municipal, estadual e federal, o atual diretor do Hemolagos é enfático ao desaconselhar o chamado ‘tratamento precoce’.

Marcelão, como é conhecido, destaca que anteriormente os médicos não receitavam medicamentos que não fossem recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), por medo de condenações judiciais e de processos por má conduta ética, mas que a disseminação em massa de informações falsas nas redes sociais [“como dizia o filósofo Umberto Eco, as redes deram voz a uma legião de estúpidos”] acabou com o receio dos profissionais.

– Não se deve dar tratamento precoce, mas suporte terapêutico ao paciente com Covid. Isso inclui tudo, desde medicação antipirética, para abaixar a febre, analgésica e anti-inflamatória e até mesmo o uso da máscara de respiração extracorpórea, a máscara de intubação. Isso que dá resultado na Covid. Esse é suporte terapêutico adequado no momento adequado. O que estamos vendo é que não temos suporte terapêutico adequado, no momento adequado. Então as pessoas estão indo pra casa, às vezes, já precisando de suporte terapêutico, mas sem vagas nos hospitais, e apelando para qualquer coisa. E os médicos que perderam a lucidez e se encontraram nessa onda de estupidez das redes sociais, alguns deles estão fazendo a despeito de todas as recomendações expressas para que não o façam – destaca Marcelo Paiva.

São Pedro se posiciona – Em nota, a Prefeitura de São Pedro da Aldeia informa que ampliou os atendimentos primários e a testagem para os casos suspeitos de Covid-19 em seis postos de saúde do município. A Secretaria de Saúde ressalta que toda medicação deve passar por avaliação do profissional e apenas é disponibilizada à população mediante prescrição por receita médica.

O objetivo é aumentar as possibilidades de tratamento aos moradores e descentralizar a procura no centro de triagem da doença, anexo ao pronto-socorro. Toda medicação receitada passa por critério e análise de cada médico. O texto destaca que os usuários do SUS precisam seguir os quatro passos para o atendimento aos casos de suspeita de Covid-19: procurar uma unidade de saúde de referência mais próximo de sua residência ou o Centro de Triagem; ser avaliado por equipe técnica; realizar o teste rápido ou Swab, conforme orientação da equipe; passar pela conduta médica, para a indicação ou não do tratamento.

A Prefeitura diz ainda que os testes estão disponíveis de 9 às 13h, nos postos a seguir: Esf Vinhateiro – Travessa Antônio de Araújo Mendonça, s/n, Vinhateiro; Esf Bairro São João I – Endereço: Rua São Jorge, s/n; Esf Campo Redondo – Rua Luiza Terra, s/n, Campo Redondo; Esf Alecrim – Estrada do Alecrim, n° 80, Parque Arruda; Esf São Mateus – Rua Manuel Antônio Júnior, s/n, São Mateus; UBS Balneário – Rua São Jorge, s/n, Balneário. Por fim, o município aldeense destacou que “médico e paciente não são obrigados a seguir as recomendações, tendo total liberdade de seguir ou não ao tratamento”.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.