Assine Já
segunda, 06 de julho de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
TEMPO REAL Suspeitos: 311 Confirmados: 3077 Óbitos: 182
Suspeitos: 311 Confirmados: 3077 Óbitos: 182
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 272 585 40
Armação dos Búzios X 265 7
Arraial do Cabo 9 83 11
Cabo Frio X 954 58
Iguaba Grande 13 218 20
São Pedro da Aldeia 1 479 16
Saquarema 16 493 30
Últimas notícias sobre a COVID-19
"RETOMADA DA ECONOMIA"

Secretário de Turismo afirma que não haverá relaxamento de barreiras sanitárias em Cabo Frio

Paulo Cotias diz que medidas de maior restrição podem voltar, caso surto de Covid-19 avance após a reabertura do comércio

04 junho 2020 - 19h50Por Rodrigo Branco

O secretário de Turismo de Cabo Frio, Paulo Cotias, afirmou para a Folha dos Lagos que não haverá relaxamento nas barreiras sanitárias montadas nos acessos ao município. Ou seja, tanto veículos particulares como ônibus fretados continuarão a ser parados pelos agentes municipais. A medida é a única diferente das previstas na zona laranja do Plano de Ação e Controle para retomada da economia, a partir deste sábado (6). A reabertura do comércio varejista e de outros setores econômicos será regulamentada por um decreto que será editado pelo prefeito Adriano Moreno (DEM), nesta sexta-feira (5). 

A zona laranja, na qual Cabo Frio está inserida, é a segunda de maior risco dentro da escala prevista no plano, que leva em conta a evolução do novo coronavírus na cidade, por meio do número de mortes, de casos confirmados, pacientes recuperados e da oferta de leitos na rede de Saúde. Do menor para o maior nível de perigo, as zonas estipuladas pelo plano são das cores verde, amarela, laranja e vermelha.

– O plano é referencial, mas nós podemos, via decreto, tomar decisões que até mesmo não estejam autorizados dentro daquela zona. Então, por exemplo, há uma expectativa que na zona laranja, começasse esse afrouxamento, só que analisando o cenário e por se tratar da primeira abertura, nós vamos manter a barreira tal qual ela está. Esse foi o entendimento que nós pactuamos na reunião com o Ministério Público – disse Cotias, em referência ao encontro com comerciantes, hoteleiros e promotores de Justiça, na última terça-feira (2).

O estágio laranja, de acordo com o plano, permite a reabertura do comércio varejista em geral, incluindo salões de beleza e barbearias, com restrições de circulação interna, uso obrigatório de EPIs por funcionários e consumidores e cumprimento de protocolos de higienização. Shoppings centers poderão funcionar com controle de acesso e restrição à capacidade de carga, plano de manejo e reorganização do espaço, controle de temperatura nos acessos e replicação das medidas sanitárias e distanciamento para as lojas. Cinemas e espaços recreativos permanecem fechados.

As galerias e prédios comerciais poderão obedecendo aos critérios de lotação, higienização, distanciamento social. A condição se estende aos setores administrativos de instituições privadas de ensino e escritórios de profissionais liberais e clínicas de estética.

O decreto também permitirá a reabertura de bares e restaurantes com até 50% da sua capacidade total, dentro das normas de higienização, distanciamento espacial de dois metros entre os jogos de mesa e uso de EPIs por funcionários e clientes, exceto nas situações de consumo. Meios de hospedagem poderão funcionar para atender o setor de offshore, prestadores de serviços para a área de saúde e clientes corporativos.

Com restrições e dentro de protocolos sanitários e de higiene, poderão funcionar ainda bancas de jornal; obras da construção civil e lojas de material de construção; oficinas mecânicas, cicles e congêneres e aquatáxis para transporte de moradores, esses com redução de capacidade. Em todos os casos, o uso da máscara será obrigatório pela população.

Apesar das medidas de reabertura da economia, o secretário de Turismo afirma que o município pode, a qualquer momento, decretar maior rigor nas restrições, caso a curva de casos fique acentuada e o setor de Saúde esteja saturado. 

– O plano nos dá uma margem de flutuação e observação. Nos dá uma previsibilidade e se ele apontar que nós vamos evoluir para um estágio de maior risco, nós temos todas as referências necessárias para fazer retroagir para um estágio de maior restrição – avisou Cotias.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa. Ligue já ou envie mensagem pelo WhatsApp: (22) 99933-2196.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.