Assine Já
segunda, 02 de agosto de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
13ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 46523 Óbitos: 1889
Confirmados Óbitos
Araruama 11454 362
Armação dos Búzios 5517 58
Arraial do Cabo 1588 87
Cabo Frio 12706 765
Iguaba Grande 4804 116
São Pedro da Aldeia 6205 275
Saquarema 4249 226
Últimas notícias sobre a COVID-19
COVID-19

São Pedro da Aldeia descarta participação em consórcio intermunicipal para compra de vacinas

Prefeitura afirma que seguirá diretriz da Associação Estadual de Municípios de aguardar doses pelo Plano Nacional de Imunização

13 março 2021 - 11h00Por Redação

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia descartou participar do consórcio intermunicipal organizado pela Frente Nacional de Prefeitos para compra de vacinas contra a Covid-19, do qual já fazem parte outros municípios da região, como Cabo Frio, Arraial do Cabo e Saquarema. A posição foi anunciada nesta sexta-feira (12), quando o município informou que continua sob bandeira amarela, sem alteração nos decretos de restrição.

O governo aldeense informou que seguirá a diretriz da Associação Estadual dos Municípios do Rio de Janeiro (Aemerj), de aguardar as doses oferecidas por meio do Plano Nacional de Imunização (PNI). A Prefeiitura citou trecho de carta aberta da Aemerj, que defende a importância da política de distanciamento social, do uso rigoroso de máscaras e o fim de qualquer tipo de aglomeração, mas que firma posicionamento a favor do PNI.

"Cobramos do Ministério da Saúde um maior empenho na compra de vacinas, no reforço dos investimentos para que o Brasil domine todo o processo de produção da vacina e não dependa do exterior para salvar o nosso povo desse flagelo. Valorizamos todas as iniciativas de compra de vacinas, aprovadas em lei federal, na busca de ajudar o Brasil a acelerar o processo de vacinação, e entendemos que todas as doses devam ser disponibilizadas pelo PNI – Programa Nacional de Imunização, referência internacional que é executado na ponta pelo municípios, de forma que todos os brasileiros tenham acesso igual às vacinas, que ninguém fique para trás ou seja discriminado”, relata o documento.

Bandeira amarela mantida - O município manteve o bandeiramento na cor amarela, que representa o baixo risco para disseminação da Covid-19. O novo decreto nº 051, publicado nesta sexta-feira (12), mantém as medidas restritivas como forma de prevenção à doença. Durante a reunião semanal do Gabinete de Crise, os representantes das secretarias municipais analisaram os dados da Covid-19 para a oficialização das novas diretrizes.

Segundo dados da Vigilância em Saúde, a taxa de ocupação dos leitos de Unidade Intermediária (UI) está em 24,2% nesta semana, mantendo a previsão de esgotamento em risco muito baixo. A taxa de ocupação de leitos de observação foi de 12,8% e a previsão de esgotamento também segue em risco muito baixo. O índice de positividade continua recuando e está em 38,75%. A variação do número de óbitos é de 0,67%, que se enquadra na categoria de risco moderado. Todas informações são atualizadas no ícone de Transparência Covid e no Boletim Coronavírus, ambos disponíveis diariamente nos canais oficiais da prefeitura.

Durante o encontro, a secretária de Saúde, Maria Márcia Fontes, apresentou o ofício municipal enviado ao Ministério da Saúde solicitando quatorze novos respiradores, sendo seis equipamentos móveis e oito aparelhos para suporte da Unidade Intermediária, instalada no novo Centro de Triagem, inaugurado nesta quinta-feira (11).

Medidas em vigor - Ficam estabelecidas as medidas restritivas determinadas pelo Decreto nº 051, que revoga todos os documentos anteriores. Com o novo Decreto, fica definido que a apresentação de música ao vivo em estabelecimentos deverá ser encerrada à 1h. Os casos suspeitos ou confirmados da doença devem ser mantidos em isolamento domiciliar e em monitoramento. A proteção dos grupos vulneráveis deve ser assegurada com distanciamento social e garantia de acessibilidade aos serviços de saúde. É necessário o reforço das medidas contra a transmissão nas unidades de saúde. A população deve manter distância física, higiene e limpeza, além da redução de contato, reforço de higiene e etiqueta respiratória. Os processos de comunicação sobre a doença devem ser reforçados. As atividades que geram aglomeração de pessoas devem ser evitadas.

Seguem em vigor as ações de distanciamento social e limite de público nos estabelecimentos comerciais. As atividades físicas realizadas em piscinas, dentro de condomínios, ficam a critério do síndico de cada empreendimento, devendo-se observar os cuidados de distanciamento entre os ocupantes.

Deverá ser respeitado o limite de 50% da capacidade dos locais, devendo, também, realizar a higienização das mãos dos clientes no momento de acesso ao interior da loja e ter álcool em gel disponível aos consumidores. Os ambientes internos devem ser mantidos com ampla ventilação e as filas organizadas com o distanciamento de, no mínimo, 1,5m (um metro e meio) entre os consumidores. No caso de restaurantes, bares e lanchonetes, além do limite de ocupação, a disposição das mesas também deve ter distanciamento mínimo de 1,5 m (um metro e meio) entre elas.


















 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.