Assine Já
terça, 07 de dezembro de 2021
Região dos Lagos
25ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53752 Óbitos: 2196
Confirmados Óbitos
Araruama 12500 448
Armação dos Búzios 6589 73
Arraial do Cabo 1755 93
Cabo Frio 15618 902
Iguaba Grande 5581 147
São Pedro da Aldeia 7054 290
Saquarema 4655 243
Últimas notícias sobre a COVID-19
Coronavírus

Pandemia: 80% dos profissionais da linha de frente tiveram problema de saúde mental no último ano

Essa é a quarta etapa de uma pesquisa iniciada em abril de 2020

11 abril 2021 - 11h00Por Por Daniel Mello - Repórter da Agência Brasil

Após um ano de pandemia de coronavírus, os trabalhadores da área da saúde sentem impactos na saúde mental, segundo pesquisa do Núcleo de Estudos da Burocracia da Fundação Getulio Vargas (FGV). O estudo ouviu 1.829 profissionais de diversos campos em todas as partes do país e 80% deles disseram que tiveram algum problema de saúde mental ao longo do último ano. Participaram do estudo médicos, enfermeiros, agentes de saúde comunitária, fisioterapeutas, entre outros.

Essa é a quarta etapa da pesquisa, iniciada em abril de 2020, que vem acompanhando as percepções dos profissionais de saúde. “O que a pesquisa mostra é que a situação deles piorou em termos emocionais e da própria saúde. Porque eles estão há um ano na ativa, sem parar, sem licença ou descanso, ao mesmo tempo que as condições materiais deles não melhoraram”, diz uma das autoras do estudo, a pesquisadora da FGV Gabriela Lotta.

Gabriela explica que a amostra não foi coletada aleatoriamente, o que não permite dizer que a amostra represente exatamente a situação dos profissionais de saúde do país. “Mas ela dá um bom quadro de como está a situação dos profissionais no Brasil”, explica.

Apesar do tempo lidando com pacientes com covid-19, mais de dois terços (69%) dos profissionais disseram não se sentir preparados para lidar com a pandemia. A grande maioria, 87%, disse sentir medo e 67% ansiedade. Outros sentimentos presentes foram cansaço (58%) e tristeza (50%).

Apenas 19% disseram ter tido algum tipo de suporte de saúde mental. “Eles estão em sofrimento e não têm recebido apoio para lidar com esse sofrimento”, disse Lotta.

Para a pesquisadora, os dados mostram que houve pouco avanço para lidar com a doença. “A gente não melhorou em quase nada a preparação dos nossos profissionais, distribuição de equipamentos, treinamento. A gente está colocando os nossos profissionais a risco de morte”, diz.

Entre os pesquisados, 31% disseram já ter tido covid-19 e 86% foram vacinados contra a doença.

A reportagem da Agência Brasil entrou em contato com o Ministério da Saúde, mas não obteve resposta sobre os resultados da pesquisa.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.