Assine Já
sexta, 15 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
28ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
CORONAVÍRUS

Fiocruz diz que média móvel de mortes por covid-19 cresce no RJ

Infectologista diz que a alta é reflexo do descuido em relação ao distanciamento social

26 agosto 2020 - 13h58Por Agência Brasil
Fiocruz diz que média móvel de mortes por covid-19 cresce no RJ

Dados levantados pelo painel Monitora Covid-19, mantido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), apontam que as médias móveis de novos óbitos por covid-19 no estado e no município do Rio de Janeiro subiram entre os dias 17 e 24 de agosto.

O estado do Rio de Janeiro partiu de uma média móvel de 65,43 mortes diárias em 17 de agosto e chegando a 118 em 24 de agosto, o maior número desde 25 de julho. 

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) afirmou que não utiliza a média móvel para contabilizar os casos da doença para evitar distorções. "Casos antigos, que demoraram a ser informados, acabam sendo contabilizados", argumentou a SES. O órgão avaliou que o número de óbitos está em queda sustentada desde o início de maio, quando analisada a data da ocorrência da morte e não a data de sua divulgação.

A média móvel de mortes é calculada ao somar os novos óbitos registrados em um dia com os registros dos seis dias anteriores. O resultado, então, é dividido por sete. O objetivo do indicador é reduzir o impacto das oscilações diárias, já que menos notificações são inseridas nos sistemas de dados nos fins de semana. Os pesquisadores reforçam a importância de respeitar as medidas de prevenção à doença.

O infectologista do Instituto de Comunicação e Informação em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Icict/Fiocruz) Diego Xavier disse que a alta é reflexo do descuido em relação ao distanciamento social.

– As pessoas estão naturalizando os números, infelizmente. Apesar de a gente continuar com essa média de mil óbitos por dia [no país], as pessoas estão tentando retomar uma rotina que existia antes da pandemia, mas isso não é possível agora. Se a gente continuar com o processo de reabertura, ignorando a doença, ela vai cobrar –, ressalta.

Xavier destacou que é preciso que a população colabore com as medidas de prevenção para evitar um novo aumento de casos e vítimas da doença.

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.