Assine Já
terça, 30 de novembro de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
22ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53491 Óbitos: 2186
Confirmados Óbitos
Araruama 12497 447
Armação dos Búzios 6580 73
Arraial do Cabo 1754 93
Cabo Frio 15408 901
Iguaba Grande 5564 147
São Pedro da Aldeia 7047 290
Saquarema 4641 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
RIO COM TENDÊNCIA DE ALTA

Fiocruz aponta que Brasil tem média de mil mortes diárias por Covid-19

Dados são dos boletins epidemiológicos registrados entre os dias 9 e 22 de agosto

27 agosto 2020 - 20h51Por Agência Brasil

Uma análise da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) sobre o período de 9 a 22 de agosto mostra que a pandemia de covid-19 se manteve estável em um número alto de novos óbitos e infectados. O Boletim Observatório Fiocruz Covid-19 mostra que o país continua a apresentar uma média de mil mortes e 40 mil novos diagnósticos por dia.

O período analisado pela Fiocruz engloba as semanas epidemiológicas 33 (9 a 15 de agosto) e 34 (16 a 22 de agosto). A estabilização em nível nacional com relação às duas semanas anteriormente analisadas é resultado de fortes flutuações nos indicadores estaduais ao longo destas duas semanas, descreve o boletim.

Roraima foi o único estado com tendência de queda na mortalidade, com média diária de mortes 6% menor que o período de duas semanas anteriormente analisado, e o Rio Grande do Norte foi o único com redução da tendência de incidência da doença, com queda de 7,6% no registro diário de novos casos.

O estudo considera que elevações nas tendências de mortalidade e incidência superiores a 5% representam alerta máximo, enquanto quedas abaixo de -5%, redução. Qualquer variação dentro dessa faixa é considerada estabilidade.

Nenhum estado teve crescimento acima de 5% nas tendências de incidência e mortalidade. Apesar disso, o boletim alerta que Rio de Janeiro e Distrito Federal mostram propensão de aumento no número de casos. No Rio de Janeiro, a tendência de mortalidade cresceu 3,3%, enquanto, no DF, a alta foi de 2,5%. Bahia (2,4%), Goiás (2%) e Rio Grande do Norte (2%) também estão entre os principais aumentos na tendência de mortalidade.

Além de Roraima, as principais quedas na tendência de mortalidade foram no Amapá (-4,8%), Ceará (-4,5%), Sergipe (-4,3%) e Santa Catarina (-3,2%).

O boletim também traz dados sobre disponibilidade de leitos em hospitais, com base no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). Segundo a análise, houve pequenos incrementos na oferta de leitos de UTI Covid-19 para adultos por 10 mil habitantes no Acre, Roraima, Amapá, Tocantins, Rio Grande do Norte, Bahia, Santa Catarina, Goiás e Distrito Federal.

Tocantins, Santa Catarina e Distrito Federal saíram da zona de alerta crítico em relação à ocupação de leitos e agora estão na zona de alerta intermediário. Há 12 unidades da federação nesse grupo, enquanto 13 estão fora da zona de alerta. Goiás é o único estado na zona de alerta crítica, com ocupação de 87,3% de leitos de UTI.

Os dados disponibilizados não incluem o estado do Rio de Janeiro, mas apenas sua capital, que está na zona de risco intermediário.

A incidência de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) por 100 mil habitantes foi considerada muito alta para todas as unidades da federação. Destacam-se nesse sentido os estados de Rondônia, Alagoas, São Paulo e Mato Grosso do Sul, além do Distrito Federal, onde a incidência supera 10 casos por 100 mil habitantes.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.