Assine Já
domingo, 24 de outubro de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
NÃO É PARA SE DESCUIDAR

Estado do Rio tem 98% da população em baixo risco para Covid-19, segundo Secretaria de Saúde

Baixada Litorânea, que inclui a Região dos Lagos, está há dois meses na faixa amarela de risco de contágio

04 outubro 2020 - 11h17Por Redação

A Secretaria de Estado de Saúde divulgou na noite desta sexta-feira (02/10) a sétima edição da nota técnica e do painel de indicadores sobre a pandemia de coronavírus no Estado do Rio de Janeiro. Somente a Região Centro-Sul, cuja população corresponde a menos de 2% da total do estado, encontra-se em bandeira laranja, que indica risco moderado de contrair a doença. Com baixo risco da doença, classificadas com bandeira amarela, estão as regiões que concentram mais de 98% da população fluminense: Metropolitanas I e II, Baía da Ilha Grande, Médio-Paraíba, Norte, Baixada Litorânea, Noroeste e Serrana.

O Estado do Rio de Janeiro teve, como um todo, diminuição de 18% no número de óbitos e queda de 15% no número de casos, indicadores que, associados à taxa de ocupação dos leitos, mantém a classificação do estado na bandeira amarela, de risco baixo.   

Na Região Centro-Sul, embora tenha havido a queda de 16,22% no número de casos, houve aumento de 12,5% no total de óbitos, o que levou à mudança de bandeira. Nela estão onze municípios: Areal, Comendador Levy Gasparian, Engenheiro Paulo de Frontin, Mendes, Miguel Pereira, Paracambi, Paraíba do Sul, Paty do Alferes, Sapucaia, Três Rios e Vassouras.

Divulgada em 17 de setembro, a atualização anterior do Mapa de Risco apontava que 94% da população estava em áreas de baixo risco, e só a Região Norte, que concentra 5,5% da população fluminense, com risco moderado, em bandeira laranja. Apesar do aumento de 10,94% no número de casos, o Norte teve queda de 5,56% no número de óbitos, o que a passou para a bandeira amarela.  

A Região Baía de Ilha Grande manteve-se em bandeira amarela porque, mesmo com aumento de 20% no número de óbitos, teve queda de 35,48% no número de casos.

– Na comparação entre as Semanas Epidemiológicas 38 e 36, a Região Centro-Sul Fluminense retrocedeu ao risco moderado, que já tinha sido evidenciado na quarta publicação do Mapa de Risco. A classificação de risco nessa região foi impactada pela variação positiva do número de óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) nos municípios de Sapucaia e Paracambi. Já a Região Norte avançou para a bandeira amarela. Esses resultados refletem a redução de óbitos por SRAG em relação às semanas epidemiológicas anteriores, com consequente redução nas taxas de ocupação de leitos destinados à Covid-19 – explica a subsecretária extraordinária de Covid, Flávia Barbosa.

Na Região Metropolitana, mais 40 leitos

A secretária explica que, considerando a heterogeneidade da curva epidêmica em todo o estado, é necessária uma análise regional para a tomada de decisão sobre medidas de prevenção.

– A Região Metropolitana I se mantém em risco baixo para Covid-19, com uma variação negativa de óbitos e internações, quando comparada a Semana Epidemiológica 38 com a 36. Cabe ressaltar que o agravamento da pandemia na Região Metropolitana I, apontado na publicação do Boletim 04, não se manteve na avaliação mais recente. Uma ação importante nessa região foi a ampliação de mais de 40 leitos, o que permitiu que a região permanecesse em um nível de risco baixo para taxa de ocupação – esclarece a secretária.

Flávia ressalta, ainda, que a Covid-19 continua sendo um problema de saúde pública, principalmente pela possibilidade de ocorrerem casos graves em população de maior risco.

– É extremamente importante reforçar as medidas de distanciamento social, o uso de máscara, a lavagem das mãos e o uso de álcool gel –  afirma ela.

A sétima versão do Painel apresenta a análise comparativa entre as Semanas Epidemiológicas 38 (13 a 19 de setembro) e 36 (de 30 de agosto a 05 de setembro). Para a classificação são considerados os seguintes indicadores: taxa de positividade de pacientes testados para coronavírus; variação de casos e óbitos por SRAG; taxa de ocupação de leitos destinados a SRAG; e previsão de esgotamento de leitos de UTI para SRAG. As cores das bandeiras e os riscos indicados variam entre roxa (risco muito alto), vermelha (risco alto), laranja (risco moderado), amarela (risco baixo) e verde (risco muito baixo). Cada nível de risco representa determinado conjunto de recomendações de isolamento social.

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.