Assine Já
terça, 19 de outubro de 2021
São Paulo
39ºmax
24ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
HOSPITAL GERAL

Defensoria Pública do Rio de Janeiro apura denúncia de mortes em Arraial por falta de oxigênio

Prefeitura disse que óbitos foram por complicações da Covid e não por desabastecimento

31 março 2021 - 19h44Por Redação

A Defensoria Pública do Rio busca informações após receber denúncias de familiares de pacientes de Covid-19 e profissionais de saúde de que pelo menos cinco óbitos teriam se dado por falta de oxigênio no Hospital Geral de Arraial do Cabo nos últimos dias. A Prefeitura, por sua vez, negou a falta de insumos para o tratamento dos pacientes.  

— Desde dezembro a Defensoria Pública tem percebido as precárias condições de atendimento do hospital de Arraial do Cabo. Em vistoria conjunta com o Cremerj, constatamos a falta de profissionais de saúde, de medicamentos e de insumos na unidade, essenciais para os pacientes infectados pela covid-19 no município — explica a defensora pública Raphaela Jahara, da Coordenadoria de Saúde e Tutela Coletiva.

Segundo a Defensoria, a precariedade dos serviços de saúde prestados durante a pandemia, e inclusive a ausência de transparência nos dados relativos ao contágio, levou a Defensoria a ajuizar, ainda no primeiro semestre do ano passado, duas ações civis públicas. O órgão aponta que o problema se agravou na segunda quinzena de março desse ano, quando profissionais de saúde e parentes de pessoas internadas no hospital local fizeram chegar à Defensoria denúncias sobre falta não só de oxigênio, mas também de remédios para intubação.

— Diante dos fatos, a Defensoria tem apurado as irregularidades e cobrado do Município condições adequadas de atendimento aos pacientes — destaca Raphaela Jahara.

Em nota, a Secretaria de Saúde de Arraial do Cabo informou que o Hospital Geral conta atualmente com nove respiradores e dez monitores em funcionamento e que não houve desabastecimento de oxigênio na unidade. Sobre as mortes, o município admitiu duas, nos dias 27 e 28, mas que elas ocorreram em função de complicações da doença, e não por falta de atendimento adequado ou falta de equipamentos. 

O município disse que não conta com leitos de UTI, apenas de enfermaria e UPG, porém, já indicou ao Estado a intenção de receber seis leitos de UTI. Atualmente os casos que demandam atendimento de Terapia Intensiva são encaminhados à Central Estadual de Regulação, "objetivando a transferência do paciente para uma unidade que possua essa estrutura" e que "portanto, a liberação depende de leitos disponíveis".     

A secretaria finalizou dizendo ainda que "está à disposição da Defensoria Pública e demais órgãos de representação e controle para prestar todas as informações necessárias, assim como visitas nas unidades".

Na noite desta quarta (31), o prefeito Marcelo Magno (Solidariedade) também publicou um vídeo para dizer que não faltam cilindros de oxigênio.
 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.