Assine Já
domingo, 24 de outubro de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
SAÚDE

Covid: São Pedro vacina adolescentes gestantes, lactantes ou puérperas a partir de segunda (27)

A dose de reforço (D3) está disponível para idosos acima de 70 anos e pessoas com alto grau de imunossupressão

24 setembro 2021 - 16h30Por Rodrigo Branco

A partir desta segunda-feira (27), as adolescentes gestantes, lactantes ou puérperas entram no calendário de imunização contra a Covid-19 em São Pedro da Aldeia. A vacinação segue no público de 12 a 17 anos com deficiência permanente. A dose de reforço (D3) está disponível para idosos acima de 70 anos e pessoas com alto grau de imunossupressão. Os cidadãos de 18 anos ou mais, ou grupos inseridos anteriormente e os aptos a receberem a segunda dose (D2) também continuam no plano municipal de vacinação.

O novo público-alvo será atendido no São Pedro Esporte Clube (SPEC), localizado no Centro. Além do SPEC, outros 3 pontos de vacinação atendem à população, com públicos específicos, das 8h ao meio-dia (confira locais e grupos abaixo).

Os idosos podem tomar a terceira dose (D3) após 6 meses da aplicação da segunda dose. Já os imunossuprimidos estão aptos depois de 28 dias da D2. Quem recebeu a primeira dose do imunizante (D1) e estiver dentro do prazo para tomar a segunda dose (D2), deve procurar um dos pontos de vacinação. Lembrando que o prazo para a D2 da Coronavac é de 14 a 28 dias após o recebimento da D1. Já o da Oxford/AstraZeneca e Pfizer é de 90 dias após o recebimento da primeira. 

A Secretaria de Saúde alerta que apenas a aplicação da D2 garante a proteção eficaz contra o coronavírus.

Locais de vacinação:

São Pedro Esporte Clube – SPEC 

– Adolescentes gestantes, lactantes (mulheres que amamentam o filho até 12 meses) e puérperas (mulheres no período até 45 dias após o parto) – D1.

– Adolescentes de 12 a 17 anos com deficiência permanente – D1.

– Moradores de 18 anos ou mais – D1.

– Idosos de 70 anos ou mais – D3.

– Pessoas com alto grau de imunossupressão – D3.

Local: Avenida São Pedro, n° 125, Centro, em frente à Praça do Canhão.

Escola Municipal Manoel Moraes da Silva

– Moradores de 18 anos ou mais – D1.

– Cidadãos aptos à D2.

Local: Rua Silva Jardim, bairro Campo Redondo.

Clube Recreativo Gaivota

– Moradores de 18 anos ou mais – D1.

– Cidadãos aptos à D2.

Local: Avenida Aeronaval S/N – São José

ESF do bairro Porto do Carro

– Moradores de 18 anos ou mais – D1.

– Cidadãos aptos à D2.

Local: Estrada do Alecrim, n° 388.

Entenda quais são os públicos

Público-alvo 1ª dose:

– Moradores entre 18 anos ou mais;

– Adolescentes de 12 a 17 anos com deficiência permanente – D1;

– Adolescentes gestantes, lactantes (mulheres que amamentem o filho até 12 meses) e puérperas (mulheres no período até 45 dias após o parto).

Público-alvo 2ª dose:

– Moradores que tomaram a D1 e estão no prazo para a D2.

Público-alvo 3ª dose:

– Idosos de 70 anos ou mais;

– Pessoas com alto grau de imunossupressão.

Quem são os cidadãos com alto grau de imunossupressão?

– Pessoas com imunodeficiência primária grave;

– Pacientes em quimioterapia para câncer;

– Transplantados de órgão sólido ou de células tronco hematopoiéticas (TCTH) em uso de drogas imunossupressoras;

– Pessoas vivendo com HIV/Aids com CD4 <200 céls/mm3*;

– Pacientes que fazem uso de corticoides em doses ≥20 mg/dia de prednisona, ou equivalente, por ≥14 dias;

– Pacientes que façam uso de drogas modificadoras da resposta imune;

– Pacientes em hemodiálise;

– Pacientes com doenças imunomediadas inflamatórias crônicas (reumatológicas, auto inflamatórias, doenças intestinais inflamatórias).

* Pessoas vivendo com HIV/Aids com CD4 <200 céls/mm3 também devem procurar o Departamento de Doenças Infectoparasitárias (DIP), às quintas-feiras, das 13h30 às 15h30, e às sextas-feiras das 8h às 15h.

Documentação e procedimentos necessários para receber a vacina

Todos os moradores devem apresentar documentação pessoal com foto, Cartão do SUS e comprovante de residência nominal no ato da vacinação. Alguns casos necessitam, ainda, de comprovantes específicos. Caso o residente não possua comprovantes em seu nome, outras opções serão aceitas pelas equipes de triagem. Confira abaixo as alternativas de documentação que podem ser apresentadas:

– Comprovante no nome do cônjuge com certidão de casamento ou contrato de união estável;

– Comprovante de residência no nome do pai ou da mãe com comprovação de filiação no do documento de identidade;

– Comprovante de matrícula de filho menor de 18 anos, tanto em escola pública quanto particular do município;

– IPTU;

– Contrato de compra e venda de imóvel no seu nome, ou contrato de locação de imóvel, ou razão social de empresas em seu nome (no caso de profissionais da saúde e donos de negócios como clínicas e consultórios);

– Original e cópia da declaração de terceiros, atestando a comprovação de residência, reconhecida em cartório. Atenção: a mesma ficará retida na unidade.

– Título de Eleitor que comprove residência na cidade.

Adolescentes de 12 a 17 anos com deficiência permanente:

– Laudo determinando a deficiência. 

O menor deve estar acompanhando pelo responsável.

Adolescentes gestantes, puérperas e lactantes:

– Gestante: prescrição médica;

– Puérperas: prescrição médica e certidão de nascimento do(a) filho(a) de até 45 dias;

– Lactantes: certidão de nascimento do(a) filho(a) de até 12 meses.

Idosos de 70 anos ou mais;

– Comprovante de recebimento da segunda vacina (D2) no município.

Importante ressaltar que os responsáveis pelos idosos de 80 anos ou mais, acamados ou com dificuldades de locomoção, podem agendar nos postos de saúde a vacinação em domicílio.

Pessoas com alto grau de imunossupressão:

– Laudo médico; 

– Comprovante de recebimento da segunda vacina (D2) no município.

Segunda dose (D2)

– Comprovante de recebimento da primeira vacina (D1) no município.

Todo cidadão que recebe a vacina é catalogado para registro documental do processo de imunização. Os certificados são feitos nominalmente, com a assinatura daqueles que recebem as doses ou dos responsáveis por eles no ato da vacinação.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.